Edição do dia

Domingo, 25 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
13.7 ° C
15.9 °
13.2 °
72 %
4.6kmh
20 %
Dom
16 °
Seg
19 °
Ter
20 °
Qua
20 °
Qui
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Economia Rendas de casas subiram 10% devido ao aumento da procura, diz sector...

      Rendas de casas subiram 10% devido ao aumento da procura, diz sector imobiliário

      O preço das casas para arrendamento foi mais caro no ano passado e a Taipa foi a zona que mais sentiu esse aumento. Em geral, houve uma subida de 10%, apontou a Associação de Agentes Imobiliários de Macau, explicando que o regresso de trabalhadores não-residentes e de estudantes do interior da China estimulou a procura do arrendamento. Indicou ainda que a nova medida do Governo de isentar o imposto de selo para a compra da segunda casa não criou grande impacto no mercado.

       

      O regresso a Macau dos trabalhadores não-residentes e estudantes do interior da China, bem como a baixa vontade de compra de casa, são factores que impulsionaram o aumento do custo de arrendamento habitacional, defendeu a Associação de Agentes Imobiliários de Macau. Segundo revelou a associação, Macau registou no ano passado um crescimento, em média, de 10% nas rendas de casas.

      O presidente da associação, Chris Wong, destacou que o mercado imobiliário se manteve em recessão no ano passado, mas o mercado de arrendamento verificou uma recuperação após ter registado um nível bastante baixo durante alguns anos.

      “De uma forma geral, as rendas para as propriedades residenciais em Macau subiram 10% em relação ao ano anterior, sendo a zona da Taipa mais popular entre os trabalhadores não-residentes e estudantes do Continente. Assim o seu desempenho de mercado em termos de rendas foi superior em relação a outras zonas, com um nível de recuperação de cerca de 20%”, adiantou o responsável, em declaração ao Jornal Ou Mun.

      O representante do sector sublinhou, por conseguinte, que o número de trabalhadores não residentes começou a recuperar no primeiro semestre do ano passado, como resultado da rápida retoma das entradas de visitantes, o que impulsionou a procura de habitação no território. “Simultaneamente, a chegada de estudantes do interior da China que vieram estudar para Macau a partir das férias de Verão do ano passado fez aumentar a procura de habitação para arrendamento”, justificou.

      As elevadas taxas de juro foram igualmente a razão do aumento da procura de casas para arrendamento, apesar de ser menos directa. De acordo com Chris Wong, os residentes “mudaram da compra para o arrendamento” por terem menos vontade de aderir à hipoteca.

      “Desde o início do aumento substancial das taxas de juro nos Estados Unidos em 2022, as taxas de juro em Hong Kong e em Macau continuam a estar elevadas durante mais de um ano e meio”, referiu. Wong apontou que a taxa de juro dos depósitos a prazo nos bancos locais varia em quatro por cento em geral. “Alguns proprietários de imóveis preferem vender as suas casas para aproveitar os fundos, fazendo depósitos a prazo nos bancos para ganhar a taxa de juro”, destacou.

      Recorde-se que, em Macau no terceiro trimestre do ano passado, a renda média por metro quadrado das fracções autónomas habitacionais ascendeu 0,8% em termos trimestrais, para 130 patacas por metro quadrado da área útil, segundo a Direcção dos Serviços de Estatísticas e Censos.

      Chris Wong, no entanto, prevê que a procura de arrendamento habitacional se mantenha estável este ano, pelo que a variação do preço das casas em arrendamento não será grande.

      Por outro lado, a alteração à lei do imposto de selo sobre a aquisição do segundo e posteriores bens imóveis destinados a habitação entrou em vigor na semana passada e produz efeito desde o início do ano, com o qual o Executivo pretende incentivar as transacções. Mas Chris Wong notou que o mercado imobiliário não foi muito impactado com a nova lei, sendo que o volume de transacções não registou subsequentemente um aumento.

      A compra e venda de casas foi, no entanto, incentivada antes da entrada em vigor da lei, uma vez que o diploma regula ainda um limite máximo do rácio dos empréstimos hipotecários para aquisição de habitação em 70%, o que podia chegar até 80% para a maioria das casas adquiridas por parte de jovens que não têm imóveis.

      “O Governo avançou a informação em Novembro do ano passado e alguns promotores e proprietários de imóveis aproveitaram a política anterior para vender casas aos jovens compradores com preço reduzido no final do ano passado”, explicou Wong, considerando que as autoridades devem lançar mais políticas benéficas para que o mercado seja estimulado.