Edição do dia

Quinta-feira, 29 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
15.9 ° C
17.9 °
15.9 °
88 %
3.1kmh
40 %
Qui
21 °
Sex
17 °
Sáb
16 °
Dom
20 °
Seg
22 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Espectáculo burlesco do Festival Fringe cancelado após vídeo polémico com ‘drag queen’ num...

      Espectáculo burlesco do Festival Fringe cancelado após vídeo polémico com ‘drag queen’ num autocarro

       

      “Feito Pela Beleza” fazia parte do programa do Festival Fringe, mas depois de um vídeo com uma actuação de “drag queens” num autocarro ter corrido as redes sociais, o IC cancelou as restantes actuações do grupo Utopia da Miss Bondy. Sarah Sun, porta-voz do grupo, garante que nunca se ocultou o carácter transformista das performances. A presidente do IC diz que as autoridades tiveram um entendimento diferente do conteúdo.

       

      “Lábios vermelhos, costas profundamente decotadas, minissaia, meias de vidro pretas, saltos altos… serão estes os valores estéticos?”, propunha o grupo cénico Utopia da Miss Bondy no seu espectáculo “Feito Pela Beleza”, que fazia parte da programação deste ano do Festival Fringe.

      O espectáculo, com actuações previstas para os dias 23 a 25 de Janeiro, tinha sido classificado para maiores de 18 anos, e continha a advertência de “linguagem obscena e nudez que poderia ofender a sensibilidade de alguns espectadores”. No entanto, depois da primeira actuação no edifício do IAM, no dia 24, o Instituto Cultural (IC), a entidade supervisora, optou por cancelar o resto das actuações, alegando “circunstâncias imprevistas”. Estas circunstâncias, acabou depois por esclarecer a presidente do IC ontem aos meios de comunicação social, prenderam-se com uma discrepância entre o conteúdo concreto do espectáculo, e aquele que tinha inicialmente sido apresentado na candidatura do grupo. “O conteúdo era diferente daquele que nós percebemos na altura da selecção desta actividade. Nós tivemos um entendimento diferente, e o grupo não queria ajustar o conteúdo, e por isso decidimos cancelar essa actividade”, esclareceu Leong Wai Man, acrescentando que “o Governo da RAEM, quando organiza as actividades culturais, tem critérios para serem seguidos, que fazem parte do regulamento do Fringe. Como entidade competente, temos de assegurar que as actividades sejam em consonância com esses princípios”.

      Antes do espectáculo “Feito pela Beleza”, o mesmo grupo Utopia da Miss Bondy, que já levou as suas performances burlescas a várias cidades do interior da China, já tinha apresentado um outro programa intitulado “Belo Autocarro”, no dia 21 de Janeiro. Neste espectáculo gratuito para maiores de 18 anos, que ficou rapidamente esgotado, propunha-se uma exploração da “diversidade dos valores estéticos” ao som de um DJ e com bailarinos e artistas num autocarro em movimento. Entretanto, um dos “passageiros” captou imagens do actuação, e o vídeo acabou por ser partilhado nas redes sociais, com algumas vozes da comunidade a expressarem o seu desagrado devido ao conteúdo sensual do programa.

      Embora a presidente do IC não tenha admitido que este vídeo tenha estado na origem do cancelamento das outras actuações, segundo a porta-voz do grupo, Sarah Sun, a equipa de gestão do Festival Fringe dirigiu-se ao local de ensaios das actuações previstas de “Feito pela Beleza”, levantando questões sobre pormenores cénicos como a cor das collants dos bailarinos, que deveriam ser de cor preta, e não cor de pele, proibindo o uso de dragões, que não podem ser utilizados “de forma sexy”, ou requerendo que se substituísse “adereços de pénis por um copo de vinho”. Ao PONTO FINAL, Sarah Sun, partilhou ainda a sua indignação não só pela forma como o conteúdo do espectáculo foi pressionado a ser alterado, como pelo cancelamento de um programa que já tinha sido apresentado ao IC de forma clara, e por este mesmo organismo aprovado. “Logo no início, quando apresentámos a nossa candidatura, mencionámos que o nosso espectáculo é apresentado por drag queens”, recordou. Depois, foram-lhes pedidos detalhes do guião, e fotografias dos figurinos. “Nós cooperámos e apresentámos o que eles precisavam”. No entanto, na noite do ensaio geral, no dia 22, o IC enviou uma equipa ao local para fazer os ajustes acima referidos. Sarah Sun garante que o grupo aquiesceu, mas que na noite da primeira actuação, no dia 23, todo o espetáculo foi “supervisionado” com fotografias e vídeos gravados durante a performance que “perturbaram bastante o nosso público”, contou.

      No dia seguinte, às 18h51, apenas a cerca de três horas da hora prevista da performance, a responsável diz que recebeu uma chamada do IC a anunciar que “Feito pela Beleza” tinha sido cancelado, tendo-lhe sido apresentado como motivo do cancelamento o facto de o grupo não ter alterado a totalidade dos elementos que lhes tinham sido pedidos. “Como equipa de produção, sentimo-nos muito aborrecidos. Não conseguimos perceber por que razão temos de seguir todos os pedidos do IC. Esta não é uma a criação livre?”, desabafou.

      Leong Wai Man diz que lamenta a situação, mas que não havia outra alternativa senão cancelar. “Quando fomos ver o ensaio, demos as nossas propostas de ajustamento do conteúdo. No dia do espectáculo, o grupo não ajustou o conteúdo e, de acordo com o regulamento, o IC tem o direito de interpretação. Neste caso, é de lamentar, porque também não queremos cancelar nenhuma actividade, mas mesmo comunicando com o grupo não houve melhoria no dia de apresentação. Não pudemos não cancelar”.

      Um jornalista do jornal Cheng Pou tinha questionado a presidente do IC sobre o peso que a opinião da população teve na escolha de cancelar as duas actuações, mas a governante preferiu não comentar. “Vocês querem desenvolver uma cidade diversificada e promotora da cultura, mas depois duas actividades culturais foram canceladas por causa de certas questões, e de opiniões da população. Isto não estará a denegrir a imagem de Macau? Parece que a comunidade não é assim tão tolerante a estas performances e formas de actuar”, destacava o jornalista.

      “Feito pela Beleza” convidava o público a explorar os conceitos universais da atracção física. “Deixemos de lado a moralidade e a racionalidade e fujamos de todos os problemas do mundo através do sarcasmo. Votemos na beleza definida por nós e inspiremos o mundo ao nosso redor com uma atitude astuciosa”, referia o programa. Ontem, às 21h, na livraria Bookand, Sarah Sun e o grupo Utopia da Miss Bondy organizaram por iniciativa própria uma actuação privada. “Nunca desafiem a resiliência dos praticantes das artes e da cultura! Nós somos loucos!”, referia a organizadora.