Edição do dia

Quinta-feira, 29 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
14.9 ° C
14.9 °
14.9 °
77 %
8.8kmh
40 %
Qui
15 °
Sex
16 °
Sáb
14 °
Dom
20 °
Seg
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Ilha Ecológica prevista a ser construída perto da Praia de Hac Sá

      Ilha Ecológica prevista a ser construída perto da Praia de Hac Sá

      A construção de uma Ilha Ecológica deverá ter lugar na zona marítima no sul de Coloane, perto da Praia de Hac Sá. O projecto destina-se a resolver o problema de disposição de resíduos urbanos, e as autoridades esperam que a ilha possa ser aproveitada durante pelo menos 20 anos. A localização do projecto não está totalmente confirmada, mas os Serviços de Assuntos Marítimos e de Água dizem que o plano actual já é “melhor” do que os outros, tendo menos impacto a Macau.

       

      A Ilha Ecológica já tem a localização preliminarmente escolhida, que deverá ser criada no sul de Coloane, na área marítima perto da Praia Hac Sá. A área está prevista como zona para desenvolvimento e zona para deposição de resíduos, estipuladas no documento de consulta do “Zoneamento Marítimo Funcional” e “Plano das Áreas Marítimas”, lançado pela Direcção dos Serviços de Assuntos Marítimos e de Água (DSAMA).

      Susana Wong, directora da DSAMA, explicou que a escolha do local para a construção da Ilha Ecológica tem em consideração a análise dos factores geográficos de Macau feita pelo Ministério dos Recursos Hídricos do Estado. O estudo diz que Macau se situa num estuário, que é área de encontro entre a água do rio e o mar, pelo que não é recomendável que se colocasse a ilha ecológica mais para leste da localização escolhida agora, a fim de evitar obstruir a passagem de sedimentos.

      “O canal de Macau, até o lado leste do aeroporto, é via de descarga de sedimentos do curso superior, pelo que as autoridades da China propuseram que o projecto não deslocasse mais para o lado leste”, justificou. Citada pelo Jornal Ou Mun, Susana Wong indicou que a DSAMA vai ainda realizar mais estudos para confirmar a escolha do local, mas não avançou o calendário para os trabalhos seguintes, quer construção, quer entrada em serviço da ilha.

      A primeira sessão de consulta pública, destinada a associações e sectores, sobre “Zoneamento Marítimo Funcional”, o “Plano das Áreas Marítimas” e a “Lei de Uso das Áreas Marítimas”, decorreu na passada sexta-feira, e contou com a participação de cerca de 40 representantes de 20 instituições e associações. Na ocasião, vários participantes mostraram-se atentos ao projecto de Ilha Ecológica, nomeadamente a protecção do ambiente da Praia de Hac Sá, bem como as medidas para reduzir as poluições.

      Nesse sentido, Ng Si Io, chefe da Divisão de Planeamento Ambiental dos Serviços de Protecção Ambiental (DSPA), destacou que a tomada de decisão de construir uma ilha ecológica no mar é devida ao facto de que o actual aterro de resíduos de construção em Coloane estar quase saturado, e está de acordo com as recomendações do Plano decenal de prevenção e redução de desastres em Macau.

      “Na fase inicial, foram efectuadas análises preliminares e comparações das opções de selecção do local. A actual selecção do local para a ilha ecológica tem menos impacto e é melhor do que as outras opções. Daremos seguimento aos vários trabalhos de discussão e formularemos uma proposta, solicitando depois a aprovação do Governo Central”, referiu.

      Ng Si Io salientou que foram feitas muitas análises sobre a escala da Ilha Ecológica, e espera-se que a ilha possa ser utilizada por um período não inferior a 20 anos. Segundo o mesmo, será dada prioridade à utilização de resíduos de construção que satisfaçam os critérios no âmbito do aterro e da construção da Ilha Ecológica, de modo a reduzir a quantidade de resíduos de construção existentes no aterro. Depois do aterro e construção da ilha, serão criadas na parcela instalações de tratamento de resíduos sólidos.

      O projecto de Ilha Ecológica, segundo o documento de consulta, surge na sequência do “contínuo desenvolvimento e construção da cidade de Macau” e “haverá uma quantidade significativa de resíduos de construção que precisarão de ser aterrados”, enquanto a ilha ecológica “resolverá efectivamente o problema de disposição de resíduos urbanos”.

      “Através do design paisagístico, a ilha ecológica será transformada num espaço público multifuncional à beira-mar e num pulmão verde urbano, com funções de protecção ambiental, redução de desastres e educação científica”, descreve o documento.

      A futura zona de deposição de resíduos está sujeita a requisitos de gestão e controlo, incluindo tomar medidas efectivas para reduzir o impacto nas zonas funcionais circundantes durante a execução de obras, realizar obras de conservação ecológica e reparo em torno dos projectos de construção de aterros, repor e reparar funções ecossistemáticas na medida do possível, bem como fortalecer o monitoramento do ambiente ecológico das áreas marítimas, o monitoramento dinâmico e a supervisão de deposição de resíduos.