Edição do dia

Quarta-feira, 28 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
15.9 ° C
18.9 °
15.9 °
77 %
2.1kmh
40 %
Qua
20 °
Qui
21 °
Sex
17 °
Sáb
15 °
Dom
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China "Uma Faixa, Uma Rota" vai impulsionar a cooperação entre Portugal e a...

      “Uma Faixa, Uma Rota” vai impulsionar a cooperação entre Portugal e a China, diz especialista

      A iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota” vai impulsionar as relações entre a China e Portugal, disse Fernanda Ilheu, presidente da Associação Amigos da Nova Rota da Seda (ANRS), numa entrevista recente à Xinhua. Ilheu, que é também professora na Universidade de Lisboa, disse que esta iniciativa deverá chegar a Portugal através de projectos de cooperação científica e empreendimentos comerciais, utilizando tanto rotas terrestres como marítimas. Como resultado, disse, haverá uma consolidação dos investimentos chineses em Portugal. “Há muitas oportunidades para a China continuar a investir. A cooperação (…) será fantástica para compreender a China e a tecnologia chinesa”, disse Ilheu.

      A presidente da ANRS disse que os portugueses já conhecem a gestão eficiente das empresas chinesas que estão presentes em Portugal, reconhecendo também a cooperação entre a direcção chinesa e a portuguesa.

      Portugal vê com bons olhos o investimento estrangeiro, disse, sobretudo quando se trata de “actualizar a nossa tecnologia, modernizar os nossos mercados e permitir que as empresas tenham um desenvolvimento económico sustentável”. “Por isso, consideramos sempre o investimento estrangeiro como uma questão positiva. E (…) também consideramos o investimento chinês uma questão muito positiva”, disse.

      Apesar da actual instabilidade mundial, a especialista disse que isso não afecta as relações da China com Portugal. “A maioria das pessoas admira a China e quer cooperar”, afirmou Ilheu.

      Recordando os 18 anos que viveu em Macau, comparou a “cultura pacífica” de Portugal com a cultura chinesa. “Sempre percebi que os chineses preferem o equilíbrio e a harmonia, não o conflito”, disse. “No domínio do ensino da língua portuguesa, há cerca de 60 universidades na China com estudos portugueses, e nós também temos muitas escolas em Portugal que ensinam chinês. Há uma boa colaboração em termos de intercâmbios culturais”, afirmou Ilheu. “Ao nível do turismo, estamos a começar a ver o turismo chinês a regressar a Portugal”, acrescentou. Ilheu também elogiou o terceiro Fórum da Faixa e da Rota para a Cooperação Internacional, realizado em Pequim em outubro.

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau