Edição do dia

Quinta-feira, 22 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
neblina
21.9 ° C
25.4 °
20.9 °
100 %
3.1kmh
75 %
Qui
23 °
Sex
21 °
Sáb
20 °
Dom
21 °
Seg
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Economia Indústria do turismo estipula meta de 36 milhões de visitantes para 2024

      Indústria do turismo estipula meta de 36 milhões de visitantes para 2024

      Andy Wu, presidente da Associação de Indústria Turística, confia numa retoma do sector ainda maior e considera que o número de entradas deverá atingir 36 milhões no próximo ano. A estimativa representa 90% do nível antes da pandemia. O representante prevê um “aumento significativo” dos visitantes internacionais, mas alerta para a falta de motoristas de autocarros turísticos e para a recuperação desequilibrada dos negócios.

       

      O sector do turismo quer ver o número de visitantes aumentar ainda mais no próximo ano, mostrando-se confiante em alcançar 36 milhões em 2024, ou seja, 90% do nível registado em 2019, antes da pandemia. A Associação de Indústria Turística espera ainda que haja um aumento significativo da proporção de visitantes do exterior à medida que o Governo concentre os seus recursos no mercado internacional no ano que vem.

      Andy Wu, presidente da Associação de Indústria Turística, apontou que a meta dos 36 milhões de turistas é concretizável dado o ritmo acelerado da retoma das actividades turísticas no território ao longo deste ano depois do levantamento total das restrições após três anos da pandemia. “Este ano, as épocas altas foram prósperas. E as épocas baixas também não foram más, o número médio diário de visitantes durante os dias não festivos foi de 70.000 a 80.000, o que demonstra que o mercado está a recuperar de forma constante”, indicou Wu ao Jornal Ou Mun.

      As previsões positivas de Andy Wu para o próximo ano têm por base o balanço do turismo durante os feriados de Natal. Segundo os dados provisórios dos Serviços de Turismo (DST), no último fim-de-semana, de 23 a 26 de Dezembro, entraram em Macau mais de 456 mil visitantes, ou seja, cerca de 114 mil por dia. As autoridades realçaram que se registou um aumento de 1,3% em comparação com o período homólogo de 2019, assinalando “uma retoma do turismo satisfatória, que continua a registar uma tendência de crescimento contínuo”.

      “A taxa média de ocupação dos estabelecimentos hoteleiros nesse período atingiu ainda os 90%. Neste mês, o Governo e as concessionárias criaram um forte ambiente natalício e lançaram vários espectáculos e actividades, tendo atraído muitos turistas de Guangdong e de Hong Kong. A época teve um bom desempenho, ultrapassando as expectativas da indústria de 100 mil visitantes por dia”, salientou.

      No início do mês, Lei Wai Nong, secretário para a Economia e Finanças, revelou que as chegadas de visitantes entre Janeiro e Novembro deste ano foram superiores aos 25 milhões, e espera-se que atinjam os 28 milhões em todo o ano de 2023, o que foi uma actualização do objectivo inicial do Executivo de receber 24 milhões de turistas neste ano. Já Helena de Senna Fernandes, directora da DST, disse numa entrevista à comunicação social que quer duplicar o número visitantes internacionais em 2024, para dois milhões de visitas.

      Por outro lado, Andy Wu destacou que a mão-de-obra perdida no sector durante a pandemia já regressou aos postos de trabalho, numa altura em que o número de visitantes está a aproximar-se do nível pré-epidémico.

      Existem actualmente 300 a 400 guias turísticos em serviço no território, com um volume médio diário de mais de 100 a 200 excursões turísticas, o que “é capaz de fazer face à procura”, segundo Andy Wu, que alertou, no entanto, que o problema da falta de motoristas de autocarros de turismo continua a existir.

      Um outro alerta deixado pelo representante da indústria é o desequilíbrio da recuperação apesar do regresso de turistas, nomeadamente para as pequenas e médias empresas (PME) e comerciantes de zonas não-turísticas. Andy Wu frisou que a retoma “não teve um efeito estimulante significativo nas agências de viagens”, uma vez que as viagens individuais se tornaram uma tendência e os turistas preferem reservar bilhetes de avião e hotéis através de plataformas online.