Edição do dia

Segunda-feira, 4 de Março, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
16.9 ° C
18.9 °
16.9 °
94 %
2.6kmh
40 %
Dom
20 °
Seg
22 °
Ter
23 °
Qua
24 °
Qui
19 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Cultura Instituto Internacional de Macau promove sessão de apresentação do patuá  

      Instituto Internacional de Macau promove sessão de apresentação do patuá  

      Elisabela Larrea esteve na passada sexta-feira, dia 15, nas instalações do Instituto Internacional de Macau (IIM) para dar a conhecer a história da cultura macaense e do patuá, numa iniciativa acolhida pelos membros da comunidade chinesa presentes. Houve ainda lugar para a leitura de cantilenas, ‘lenga-lenga’ e canções antigas pelas macaenses Ângela Ramos e Mariana Pereira.

       

      Dirigida principalmente ao público chinês, o Instituto Internacional de Macau (IIM) realizou no dia 15 de Dezembro, nas suas instalações, uma sessão dedicada à divulgação do patuá e à compreensão da cultura macaense. A iniciativa apoiada pela Fundação Macau contou com a colaboração da Associação de Estudos da Cultura Macaense (MACRA). A responsável pela apresentação, a macaense Elisabela Larrea, focou-se na história da cultura macaense, abordando ainda a origem do patuá.

      Na sessão, houve ainda lugar para a leitura de excertos em patuá, pelas macaenses Ângela Ramos e Mariana Pereira, de uma edição publicada pelo IIM intitulada “Cantar de Macau”, com cantilenas, ‘lenga-lenga’ e canções originais que, de acordo com os organizadores, fazem parte do “legado macaense que hoje poucos se lembram”. Grande parte destes textos foram retirados da obra “Ta-ssi-yang kuo”, de João Feliciano Marques Pereira, escrita entre 1899 e 1900.

      Os jovens presentes da sessão ficaram curiosos depois de alguns terem tido a primeira oportunidade no contacto com crioulo de origem portuguesa de Macau, referiu a organização. Recordando que o patuá é promovido sob forma de teatro através das iniciativas do grupo dos Dóci Papiaçám di Macau e também pela Associação dos Jovens

      Macaenses (AJM) junto das escolas luso-chinesas, o IIM expressou em nota enviada à nossa redacção a sua convicção de que a divulgação do patuá sob forma de diferentes sessões destinadas às comunidades da cidade “pode intensificar e atrair o interesse desta língua em risco de vias de extinção”.

      Durante a sessão, António Monteiro, secretário-geral do IIM, promoveu ainda a recente

      colaboração com Elisabela Larrea, na sua obra que será publicada até ao fim deste ano: “Unchinho di Língu Maquista” – Cartões de estudo do Patuá” é um álbum com

      uma selecção dos cartões de estudo ou “flashcards” em patuá. Este trabalho tem sido

      desenvolvido por Larrea nos últimos anos e com as palavras mais emblemáticas do crioulo

      traduzidas em três línguas, juntamente com um link de acesso às redes sociais, que inclui

      material áudio para a pronúncia das palavras em patuá.

       

      COMITIVA DO IIM EM HENGQIN

       

      Entretanto, no sábado, dia 16 de Dezembro, o IIM promoveu um “intercâmbio cultural e académico” em Hengqin, iniciativa que obteve o apoio da Fundação Macau. Com uma comitiva de 30 participantes, o programa do intercâmbio incluiu uma mostra da exposição efectuada recentemente em Macau, do concurso de fotografias “À Descoberta de Macau e Hengqin”.

      A exposição foi transposta para as instalações da Star Peak Studios em Hengqin, oportunidade promovida com o apoio da Associação de Turismo de Hengqin e patrocínio do Fundo de Desenvolvimento da Cultura. As fotografias, recorde-se tinham feito parte de um concurso de fotografias realizado pelo IIM este ano. De acordo com os responsáveis, “alargou-se assim a promoção de Macau em Hengqin, com a intenção de captar ainda mais atenção das diversidades de Macau, do seu património, tradições e cultura, e também as atracções turísticas”. Após a exposição, a mesma comitiva visitou ainda o Instituto de Investigação de Ciência e Tecnologia da Universidade de Macau em Hengqin (ZUMRI), Instituto de Desenvolvimento de Qualidade (IDQ) e ainda à Digifluidic, dedicada à investigação científica. A comitiva do IIM ficou assim a conhecer mais sobre os últimos desenvolvimentos da área científica na zona de cooperação de Hengqin, que tem efectuado estreitas colaborações com Macau, indicou ainda o comunicado do IIM.