Edição do dia

Quarta-feira, 28 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
15.9 ° C
16.9 °
15.9 °
82 %
5.1kmh
40 %
Qua
19 °
Qui
21 °
Sex
17 °
Sáb
16 °
Dom
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Materiais didácticos de educação patriótica serão opcionais, garante DSEDJ  

      Materiais didácticos de educação patriótica serão opcionais, garante DSEDJ  

      À margem da reunião conjunta dos Conselhos de Educação e Juventude, abordaram-se os detalhes relativos aos materiais didáticos de educação patriótica que, no início do próximo ano lectivo, serão distribuídos pelas escolas de Macau. Wong Kin Mou, responsável da Direcção dos Serviços de Educação e Desenvolvimento da Juventude (DSEDJ) garante que estes apenas servem como materiais de apoio opcional aos professores do sistema de ensino da RAEM.

       

      À margem da reunião conjunta dos Conselhos de Educação e Juventude, o chefe do Departamento de Estudos e Planeamento Educativos, Wong Kin Mou, garantiu ontem aos jornalistas que os materiais didácticos complementares sobre educação da segurança nacional não são de leitura obrigatória. “Os materiais vão ser distribuídos a cada escola (…), mas os professores podem encontrar outros materiais por si próprios. (…) Vamos fornecer estes materiais complementares, que vão servir como um apoio aos professores”, esclareceu.

      Como acontece com os materiais complementares e obrigatórios contantes das listas da Direcção dos Serviços de Educação e Desenvolvimento da Juventude (DSEDJ) fornecidas aos estabelecimentos de ensino da cidade, “as escolas têm o direito à escolha”, frisou, e, como tal, os materiais fornecidos pela DSEDJ funcionam apenas como material de apoio.

      Revelando que, de momento, estes materiais estão a ser elaborados e que têm decorrido reuniões com professores sobre o seu conteúdo, o responsável anunciou que em Setembro do próximo ano estes vão ser implementados em todos os níveis de ensino, do primário ao superior.

      “Através destes materiais os alunos vão poder ter um conceito geral sobre segurança nacional”, algo que, de resto, não é novidade, já que “nos últimos anos temos realizado exposições da segurança nacional”, recordou. Recorde-se que, com a entrada em vigor da “Lei da educação patriótica da República Popular da China”, o Governo da RAEM se compromete a “absorver as ideias principais e corresponder à situação real de Macau, para optimizar os trabalhos relacionados com os currículos, materiais didácticos e actividades estudantis”. Também será dada continuidade à campanha de “Educação do Amor pela Pátria e por Macau para Jovens”, que incluirá uma série de actividades comemorativas do 75.º Aniversário da Implantação da República Popular da China (RPC) a celebração dos 25 anos da passagem da soberania de Macau para a RPC.

      Na reunião que decorreu na Escola Primária Luso-Chinesa Sir Robert Ho Tung e foi presidida pela secretária para os Assuntos Sociais e Cultura, apresentaram-se, para além dos materiais didácticos referidos, o planeamento das instalações nos terrenos para uso educativo, abordando-se também os resultados das avaliações internacionais em que participaram os estudantes de Macau. Carlos Roberto Xavier, chefe do Departamento do Ensino Superior da DSEDJ, aproveitou a ocasião para referir os últimos progressos das instituições de ensino superior da cidade, sustentando que no futuro, “será dada continuidade à optimização da qualidade educativa das instituições de ensino superior, aperfeiçoando a atmosfera de ensino, investigação e aprendizagem internacional, com vista a promover o desenvolvimento contínuo e aumentar o nível de reconhecimento internacional das instituições de ensino superior”.

      Quanto aos novos terrenos para uso educativo, estes estão a ser planeados “para melhorar o ambiente educativo e reforçar a qualidade do ensino, de modo a disponibilizar, aos estudantes, opções de escolaridade mais diversificadas”, indicou a DSEDJ em nota. Aos jornalistas, o chefe do departamento de Estudos e Planeamento Educativos, Wong Kin Mou, esclareceu que nesses terrenos dos novos aterros da Zona A estão previstas a construção de oito escolas. “Durante o processo desta fase de concepção, estamos em reuniões com as escolas e também com os serviços públicos, como a DSAT, com quem mantemos uma comunicação estreita”, por forma a organizar a questão dos transportes de forma mais adequada, afirmou o responsável.