Edição do dia

Segunda-feira, 26 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
13.9 ° C
15.9 °
13.9 °
72 %
5.7kmh
40 %
Dom
16 °
Seg
19 °
Ter
20 °
Qua
20 °
Qui
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Ásia Pelo menos três mortos num atentado à bomba em missa católica nas...

      Pelo menos três mortos num atentado à bomba em missa católica nas Filipinas

       

      Pelo menos três pessoas morreram e sete ficaram feridas na sequência de um atentado bombista durante uma missa católica no Sul das Filipinas. Ferdinand Marcos Jr., Presidente do país, acusou “terroristas estrangeiros” de terem levado a cabo o ataque.

       

       

      Pelo menos três pessoas morreram e sete ficaram feridas na sequência de um atentado bombista durante uma missa católica no Sul das Filipinas, declararam as autoridades.

      A explosão ocorreu durante uma missa católica no ginásio da Universidade Estatal de Mindanau (MSU, na sigla em inglês), em Marawi, a maior cidade muçulmana do país, disse o chefe da polícia regional Allan Nobleza. “Estamos a investigar se foi um engenho explosivo caseiro ou uma granada”, disse Nobleza.

      A MSU condenou em comunicado o “acto de violência”, suspendeu as aulas e destacou mais segurança para o campus universitário. “Somos solidários com a nossa comunidade cristã e com todas as pessoas afectadas por esta tragédia”, declarou a universidade na nota.

      Fotografias publicadas na página da rede social Facebook do governo provincial de Lanao del Sur mostram o governador Mamintal Adiong a visitar as “vítimas feridas no ataque bombista” num centro médico.

      O ataque ocorreu três dias depois de o exército filipino ter matado 11 militantes islamitas da organização Dawlah Islamiya em Mindanau. O exército afirmou no sábado que a organização estava a planear ataques noutra província do país. Allan Nobleza referiu que a polícia está a investigar se o ataque está ligado a essa operação militar.

      Em 2017, Marawi foi palco de um confronto sangrento, depois de grupos fundamentalistas alinhados com o Estado Islâmico (EI) terem tomado parcialmente a cidade a 23 de Maio, onde entraram com bandeiras do EI.

      Durante cinco meses, o exército filipino combateu os extremistas até a cidade ser libertada, numa batalha que fez mais de 1.200 mortos – 978 fundamentalistas islâmicos, 168 soldados e 87 civis.

      A ilha de Mindanau, onde cerca de 20% da população é muçulmana, tem sido palco de décadas de conflito entre o Governo e vários grupos extremistas, incluindo a organização Abu Sayaf e o Grupo Maúte, ambos associados ao EI.

       

      FERDINAND MARCOS JR. ACUSA “TERRORISTAS ESTRANGEIROS”

       

      O Presidente das Filipinas, Ferdinand Marcos Jr., acusou “terroristas estrangeiros” de terem levado a cabo o ataque com explosivos durante uma missa católica, no Sul do país, que deixou pelo menos quatro mortos e 42 feridos.

      “Condeno com a maior veemência possível os actos insensatos e mais atrozes perpetrados por terroristas estrangeiros na Universidade de Mindanau, em Marawi, este domingo de manhã”, declarou o dirigente na rede social X. O chefe de Estado filipino não indicou, porém, a nacionalidade ou a filiação em grupos armados dos alegados atacantes.

      “Os extremistas que exercem violência contra os inocentes serão sempre considerados inimigos da nossa sociedade. Apresento as minhas mais sinceras condolências às vítimas”, sublinhou Marcos Jr., assegurando que apelou ao reforço da segurança na região. “Podem ter a certeza de que levaremos a tribunal os autores deste acto impiedoso”, afirmou.

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau