Edição do dia

Quinta-feira, 29 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
16.9 ° C
16.9 °
16.9 °
82 %
3.1kmh
40 %
Qua
18 °
Qui
21 °
Sex
17 °
Sáb
16 °
Dom
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Exército chinês anuncia exercícios militares junto à fronteira com Myanmar

      Exército chinês anuncia exercícios militares junto à fronteira com Myanmar

       

      O exército da China anunciou “exercícios de treino de combate” junto à fronteira com Myanmar (antiga Birmânia), num momento de escalada dos confrontos entre grupos rebeldes e membros da junta militar. Num comunicado, o Comando do Teatro Sul do Exército Popular de Libertação (PLA, na sigla em inglês) referiu que os exercícios procuram “testar a capacidade de manobra, o encerramento de fronteiras e as capacidades de ataque de fogo das tropas”. “As forças do PLA estão sempre preparadas para responder a diversas emergências e estão determinadas a salvaguardar a soberania nacional chinesa, a estabilidade fronteiriça e a segurança das vidas e propriedades dos nossos cidadãos”, acrescentou o exército.

      Num breve comunicado divulgado através da rede social Weibo – equivalente chinês do X (antigo Twitter), cujo acesso está bloqueado na China – o PLA não revelou detalhes sobre as datas exactas ou o número de militares que irão participar nos exercícios. O anúncio surge depois de uma caravana de camiões que transportava mercadorias da China se ter incendiado, no que os meios de comunicação estatais, controlados pela junta militar no poder em Myanmar, descreveram como “um ataque dos rebeldes”.

      O embaixador chinês no país reuniu-se com elementos da junta na capital Naypyidaw, na quinta-feira, para falar sobre estabilidade fronteiriça, após uma ofensiva rebelde lançada a partir da fronteira com a China ter levantado dúvidas sobre o relacionamento bilateral. No encontro entre o embaixador Chen Hai e uma delegação liderada pelo vice-primeiro-ministro e ministro dos Negócios Estrangeiros, U Than Swe, foi discutida a cooperação para promover “a paz, a estabilidade e o Estado de direito” nas zonas fronteiriças.

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau