Edição do dia

Quinta-feira, 29 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
14.9 ° C
14.9 °
14.9 °
77 %
8.8kmh
40 %
Qui
15 °
Sex
16 °
Sáb
14 °
Dom
20 °
Seg
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China China vai crescer 5,4% este ano, mas abranda em 2024 devido à...

      China vai crescer 5,4% este ano, mas abranda em 2024 devido à crise no imobiliário

       

      A economia chinesa vai crescer 5,4% este ano, mas abrandará para 4,6%, em 2024, devido à “contínua fraqueza” do mercado imobiliário e “à fraca” procura do exterior, afirmou ontem o Fundo Monetário Internacional (FMI). Na sua avaliação anual, a instituição previu que, a médio prazo, a economia chinesa vai sofrer um enfraquecimento gradual do ritmo de crescimento para cerca de 3,5%, em 2028, devido a fatores como “fraca produtividade” e o envelhecimento da população. O crescimento “alimentado pelo crédito” dos últimos anos conduziu a desequilíbrios e vulnerabilidades crescentes, com taxas de poupança “excessivamente elevadas” a serem utilizadas para financiar investimentos no setor imobiliário residencial e em infraestruturas cada vez menos rentáveis, “resultando em elevados níveis de endividamento”, afirmou ontem a número dois do FMI, Gita Gopinath.

      Relativamente à situação no sector imobiliário, embora a agência tenha aplaudido os objectivos de ajustamento do mercado fixados pelo Governo, Gopinath afirmou que o desafio agora vai ser “minimizar os custos económicos e conter os riscos para a estabilidade macrofinanceira”. “É necessário fazer mais para garantir uma recuperação mais rápida e minimizar os custos económicos durante esta transição”, afirmou a diretora-geral adjunta do FMI, que recomendou a aceleração da saída dos construtores imobiliários financeiramente inviáveis, a eliminação dos obstáculos ao ajustamento dos preços dos imóveis, a afetação de mais fundos públicos à conclusão dos empreendimentos inacabados e a ajudas aos construtores que conseguem sobreviver para “reparar” as suas contas e adaptarem-se a um mercado “mais pequeno”. Gopinath apelou também para que Pequim reforme o quadro fiscal e reestruture os balanços para resolver o problema da dívida das administrações locais e regionais, que acumulam um elevado nível de passivos, muitas vezes através de canais de financiamento informais.

      De acordo com as estimativas do FMI, estas entidades semipúblicas acumulam uma dívida total equivalente a cerca de 9,00 biliões de dólares, mais do dobro do que em 2017. “Os riscos para a estabilidade financeira são elevados e continuam a aumentar, uma vez que as instituições financeiras têm menores reservas de capital e enfrentam riscos crescentes de qualidade dos ativos”, alertou Gopinath. No âmbito das reformas recomendadas, o FMI referiu ainda que Pequim deve concentrar-se em políticas macroeconómicas mais favoráveis para impulsionar a atividade, incluindo uma reorientação da despesa fiscal para as famílias, taxas de juro mais baixas e maior flexibilidade na taxa de câmbio da moeda chinesa, o yuan. Gopinath apelou ainda às autoridades chinesas para que “demonstrem o seu empenho” no sistema de comércio internacional e “ajudem a reduzir as pressões de fragmentação”, “reduzindo as distorções do comércio e do investimento resultantes das suas políticas industriais internas e das restrições comerciais”.

       

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau