Edição do dia

Segunda-feira, 26 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
13.9 ° C
14.9 °
13.9 °
77 %
7.7kmh
40 %
Seg
19 °
Ter
19 °
Qua
20 °
Qui
22 °
Sex
16 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Equipa chinesa cria 'drones' que cumprem tarefas através de conversas em grupo

      Equipa chinesa cria ‘drones’ que cumprem tarefas através de conversas em grupo

       

      Uma equipa de cientistas chineses desenvolveu veículos aéreos não tripulados (‘drones’) dotados de inteligência artificial que podem participar em “conversas de grupo” para planear e distribuir tarefas, à semelhança de equipas compostas por seres humanos.

       

      A tecnologia pode servir para melhorar as patrulhas de segurança, resgates em caso de catástrofe e a logística aérea, afirmaram os investigadores.

      Embora as estratégias de comunicação para grupos de ‘drones’ sejam normalmente concebidas para simular colónias de abelhas e formigas, a equipa chinesa concebeu grupos com a capacidade de falar e colaborar com seres humanos.

      A tecnologia é da autoria de Li Xuelong e da sua equipa da Escola de Inteligência Artificial, Óptica e Electrónica da Universidade Politécnica do Noroeste, na província de Shaanxi.

      A investigação dá “vida” a grandes modelos linguísticos como o ChatGPT, integrando-os em aplicações práticas, de acordo com uma publicação difundida na conta oficial da universidade na rede social WeChat.

      A partilha inclui o vídeo de uma experiência realizada pelos investigadores, que mostra uma equipa de cinco ‘drones’ a localizar com sucesso um conjunto de chaves num parque ao ar livre.

      Após encontrar as chaves, um dos ‘drones’ envia uma fotografia para o grupo e pede ao operador humano para confirmar antes de recuperar o objecto. “Os ‘drones’ demonstraram capacidades fundamentais, incluindo uma interação semelhante ao diálogo entre seres humanos, uma consciência proativa e o controlo autónomo de entidades”, lê-se na publicação.

      A tecnologia equipa cada ‘drone’ com um “cérebro humano”, permitindo-lhes conversar uns com os outros utilizando linguagem natural. De acordo com o relatório, esta capacidade foi desenvolvida com base num modelo chinês de linguagem de código aberto denominado InternLM.

      A capacidade de diálogo permite que tanto os operadores como os ‘drones’ comuniquem em linguagem humana, quebrando as barreiras entre humanos e máquinas.

      Na experiência, após um utilizador ter encarregado os ‘drones’ de procurar as chaves, três ofereceram prontamente as suas capacidades de procura, enquanto outros dois, equipados com pinças, disseram ao grupo que podiam recuperar as chaves. A divisão de tarefas foi decidida de forma independente pelo grupo de drones.

      Quando as chaves foram encontradas, os ‘drones’ também partilharam imagens com o utilizador através do grupo para confirmação. “Este nível de diálogo em pontos cruciais melhora significativamente a estabilidade e a segurança na execução de tarefas complexas”, referiu o relatório.

      Equipados com múltiplos sensores e algoritmos para busca a baixa altitude, desvio dinâmico de obstáculos e posicionamento visual, os ‘drones’ foram concebidos para perceber o que os rodeia de diferentes ângulos e posições, permitindo-lhes recolher dados e executar tarefas de forma eficiente.

      Estas capacidades são designadas por consciência ambiental proactiva, o que lhes permite compreender e adaptar-se ao ambiente que os rodeia.

      A cada um dos quatro ‘drones’ foi atribuída uma área específica para procurar. Enquanto procuravam as chaves, os ‘drones’ coordenaram os seus movimentos para cobrir essas áreas de forma eficiente. Geraram um mapa simplificado do terreno para orientar os seus esforços e também foram capazes de identificar e evitar operadores humanos no seu caminho, garantindo voos mais seguros.

      O relatório apontou que a tecnologia tem potencial para ser utilizada em inspeções de segurança, assistência em catástrofes e transporte e logística com recurso a ‘drones’. Lusa

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau