Edição do dia

Sábado, 18 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.9 ° C
28.9 °
26.9 °
78 %
3.1kmh
40 %
Sáb
27 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
24 °
Qua
24 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaNova Deli protesta contra mapa chinês que reivindica território indiano

      Nova Deli protesta contra mapa chinês que reivindica território indiano

      Nova Deli formalizou um protesto contra um novo mapa chinês que reivindica território indiano, disse ontem fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Índia, aumentando a tensão diplomática face ao impasse militar entre as duas nações.

      O momento do protesto é significativo, uma vez que o Presidente chinês, Xi Jinping, deve participar na cimeira dos países industrializados e em desenvolvimento (G20), agendada para Nova Deli, na próxima semana. “Rejeitamos estas alegações porque não têm qualquer fundamento. Estas medidas da parte chinesa apenas complicam a resolução da questão da fronteira”, afirmou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Arindam Bagchi, em comunicado.

      Bagchi afirmou que o protesto formal foi apresentado na terça-feira, através dos canais diplomáticos, face ao mapa publicado no ‘site’ do Ministério dos Recursos Naturais chinês.

      No mapa, é possível observar que Arunachal Pradesh e o planalto de Doklam, estão incluídos nas fronteiras chinesas, juntamente com Aksai Chin na secção ocidental, que a China controla, mas que a Índia ainda reivindica.

      O ministro dos Negócios Estrangeiros indiano, Jaishankar Subhramanyam, também rejeitou a reivindicação da China numa entrevista televisiva na terça-feira à noite. “Fazer reivindicações absurdas sobre o território da Índia não o torna território da China”, afirmou.

      Recentemente, a China recusou-se a colocar vistos nos passaportes dos funcionários do estado de Arunachal Pradesh, no nordeste da Índia, utilizando em vez disso um certificado agrafado. Recusa-se também a reconhecer a soberania da Índia sobre a parte de Caxemira e recusou-se a enviar uma delegação a uma reunião do G20 em Srinagar, em maio.

      Na semana passada, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, falou informalmente com Xi, à margem da cimeira dos BRICS [Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul], em Joanesburgo, onde Modi sublinhou as preocupações de Nova Deli sobre as questões fronteiriças não resolvidas.

      O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Índia informou que os dois líderes concordaram em intensificar os esforços para diminuir as tensões na fronteira disputada entre os dois países e trazer para casa milhares das tropas destacadas na região.

      A disputa de fronteiras levou a um impasse de três anos entre dezenas de milhares de soldados indianos e chineses na região de Ladakh. Há três anos, um confronto na região matou 20 soldados indianos e quatro chineses. “As duas partes devem ter em mente os interesses globais das relações bilaterais e tratar adequadamente a questão da fronteira, de modo a salvaguardar conjuntamente a paz e a tranquilidade na região fronteiriça”, declarou o Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, após a reunião dos dois líderes.

      Os comandantes militares indianos e chineses reuniram-se, no início deste mês, num aparente esforço para estabilizar a situação. Uma fronteira, designada por “Linha de Controlo Real”, separa os territórios detidos pela China e pela Índia, desde Ladakh, a oeste, até ao estado indiano de Arunachal Pradesh, a leste, que Pequim reivindica na totalidade.

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau