Edição do dia

Segunda-feira, 27 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
27.9 ° C
31.5 °
26.9 °
94 %
6.2kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
28 °
Qua
25 °
Qui
26 °
Sex
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaChina bane produtos de origem aquática do Japão após Fukushima iniciar descarga...

      China bane produtos de origem aquática do Japão após Fukushima iniciar descarga de águas

      A China suspendeu ontem a importação de produtos aquáticos de origem japonesa, de forma a “prevenir o risco de contaminação radioativa”, após a central nuclear de Fukushima ter iniciado a descarga de águas residuais tratadas no mar.

       

      A medida foi tomada “para prevenir o risco de contaminação radioativa oriunda dos produtos aquáticos japoneses devido ao despejo no Pacífico da água contaminada proveniente da central nuclear danificada de Fukushima”, informou a Administração Geral das Alfândegas da China, em comunicado. A suspensão aplica-se a todos os produtos de origem aquática, incluindo peixe, mariscos, moluscos, crustáceos e algas.

      O operador de Fukushima Daiichi, a Tokyo Electric Power Company Holdings (TEPCO), anunciou ontem o arranque do lançamento para o oceano Pacífico das águas residuais radioativas tratadas e diluídas da central nuclear.

      A TEPCO tinha avisado que a central de Fukushima Daiichi poderia, no início de 2024, ficar sem espaço para armazenar cerca de 1,33 milhões de toneladas de água, proveniente de chuva, água subterrânea ou injecções necessárias para arrefecer os núcleos dos reatores nucleares.

      A libertação de água começou quase 12 anos e meio após a fusão nuclear de Março de 2011, causada por um forte sismo e tsunami.

      Segundo o órgão responsávelpela gestão das alfândegas, o Governo chinês avaliou o “risco de contaminação radioactiva nos produtos aquáticos japoneses” e “intensificou as medidas de controlo” para produtos importados do país vizinho.

      O organismo acusou Tóquio de “ignorar as fortes críticas e oposição da comunidade internacional” e de “avançar unilateralmente com o despejo de água contaminada de Fukushima”. O Ministério dos Negócios Estrangeiros da China classificou a decisão do Japão como “egoísta” e “irresponsável”.

      Desde 2011, a China mantém a proibição sobre a importação de alimentos de uma dúzia das 47 províncias que compõem a nação insular, incluindo Fukushima, e analisa rigorosamente toda a documentação dos alimentos que chegam de outras partes do Japão, especialmente no caso de produtos alimentares de origem aquática.

      Embora vários países tenham levantado muitas das suas restrições nos últimos anos, a China só em 2018 retomou a importação de arroz da província japonesa de Niigata.

      Num vídeo difundido em directo a partir de uma sala de controlo da central, a TEPCO mostrou um membro da equipa a ativar uma bomba de água do mar, marcando o início de um polémico plano de descargas, que deve durar décadas. Grupos de pescadores japoneses opuseram-se ao plano, receando que este prejudique ainda mais a reputação dos seus produtos do mar.

      Momentos depois do anúncio da China, o presidente da TEPCO, Tomoaki Kobayakawa, disse que a empresa vai compensar adequadamente os empresários japoneses pelos danos sofridos pelas proibições de exportação.

      O responsável apontou que a China é o principal parceiro comercial do Japão e que vai fazer o máximo para fornecer explicações científicas sobre a decisão, para que a proibição seja retirada o mais rapidamente possível.

      Tony Hooker, director do Centro de Pesquisa em Radioatividade da Universidade de Adelaide, disse que a água libertada pela central de Fukushima é segura. “É uma questão muito política”, afirmou. “Compreendo as preocupações das pessoas e isto acontece porque nós, como cientistas, não explicamos da melhor forma e precisamos de mais educação”. Ainda assim, alguns cientistas dizem que o impacto a longo prazo da radioatividade que permanece na água deve ser acompanhado.

      Em comunicado, o director-geral da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Rafael Mariano Grossi, afirmou que “os especialistas da AIEA estão no terreno para servir como olhos da comunidade internacional e garantir que a descarga está a ser realizada conforme planeado, de acordo com os padrões de segurança da agência”.

      A agência das Nações Unidas também disse que vai lançar um portal para fornecer dados em tempo real sobre a descarga e reiterou as garantias de que a AIEA irá acompanhar no local as operações.

       

      Concentração de trítio abaixo do esperado, diz ONU

       

      A concentração de trítio na água da central nuclear de Fukushima, que o Japão começou a libertar ontem no mar, está bem abaixo do limite esperado, afirmou Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA).

      “Especialistas da AIEA recolheram esta semana amostras das águas preparadas para as primeiras descargas”, afirmou num comunicado o órgão da ONU que supervisiona a operação. “A análise realizada de forma independente no local confirmou” que a concentração da substância radioativa trítio estava “bem abaixo do limite operacional de 1.500 becquerel (Bq) por litro”.

      A descarga de água da central nuclear Fukushima no Oceano Pacífico foi iniciada pouco depois das 13:03, no horário local, pelo operador de Fukushima Daiichi, a Tokyo Electric Power Company Holdings (TEPCO).

      A operadora pretende libertar 31.200 toneladas de água tratada até ao final de março de 2024, o que esvaziaria apenas 10 dos cerca de mil tanques de armazenamento, embora o ritmo de descarga deva aumentar mais tarde.

      A preparação tinha começado na terça-feira, após o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, ter dado o aval final numa reunião dos ministros envolvidos no plano, aprovado pela AIEA.

      Junichi Matsumoto tinha dito que, na primeira fase que deverá durar cerca de 17 dias, iriam ser descarregados cerca de 7.800 metros cúbicos de água contendo trítio, uma substância radioactiva que só é perigosa em doses muito concentradas.

      A libertação de água começa quase 12 anos e meio após a fusão nuclear de Março de 2011, causada por um forte terramoto e ‘tsunami’.

       

      CAIXA

       

      Mais de 10 detidos em Seul em protesto contra descargas de Fukushima

       

      Mais de 10 pessoas foram detidas por tentarem entrar na embaixada japonesa em Seul, na Coreia do Sul, durante uma manifestação para denunciar a descarga de água de Fukushima no mar, informou ontem a polícia local. Um pequeno grupo de manifestantes reuniu-se em frente à embaixada, segurando cartazes nos quais se podia ler: “O oceano não é a lata de lixo do Japão”. Por sua vez, a agência sul-coreana Yonhap indica que 16 pessoas, todas estudantes universitárias, foram detidas por esta tentativa de intrusão. Outros manifestantes foram dispersos e a polícia restringiu o acesso ao edifício que alberga a embaixada pouco depois deste incidente. Seul apoiou publicamente a decisão de Tóquio de descarregar água contaminada da central nuclear danificada de Fukushima. “Apelo ao governo japonês para que publique informações sobre lançamentos de forma transparente e responsável durante os próximos 30 anos”, disse ontem o primeiro-ministro sul-coreano, Han Duck-soo.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau