Edição do dia

Sexta-feira, 24 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
25.8 ° C
25.9 °
25.4 °
94 %
4.1kmh
40 %
Qui
26 °
Sex
26 °
Sáb
26 °
Dom
28 °
Seg
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaChina acusa Japão de descarregar arbitrariamente água da central nuclear de Fukushima

      China acusa Japão de descarregar arbitrariamente água da central nuclear de Fukushima

      As autoridades chinesas acusaram o Japão de descarregar arbitrariamente água contaminada da central nuclear danificada de Fukushima no mar. Tóquio anunciou ontem a data da primeira descarga de água, cerca de três meses depois de a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) ter afirmado que o plano japonês está em conformidade com os padrões acordados para este tipo de casos.

       

      A China acusou ontem o Japão de descarregar arbitrariamente água contaminada da central nuclear danificada de Fukushima no mar, depois de Tóquio ter anunciado o início das operações esta semana.

      “O oceano é propriedade de toda a humanidade, não é um lugar onde o Japão possa descarregar arbitrariamente água contaminada”, afirmou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Wenbin, em conferência de imprensa. “O Governo chinês insiste que as pessoas devem estar em primeiro lugar e vai continuar a tomar todas as medidas que considerar necessárias para salvaguardar a segurança alimentar e a saúde dos cidadãos chineses”, acrescentou Wang Wenbin. “Pedimos ao Japão que abandone este plano”, reiterou o porta-voz chinês, no último apelo a Tóquio para desistir de uma iniciativa que, segundo Pequim, “suscitou múltiplas preocupações na comunidade internacional”.

      Tóquio anunciou ontem a data da primeira descarga de água, cerca de três meses depois de a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) ter afirmado que o plano japonês está em conformidade com os padrões acordados para este tipo de casos. No entanto, o plano do Japão gerou desconforto em países vizinhos, incluindo China e Coreia do Sul, que já em Julho pediram a Tóquio que não avançasse com as descargas.

      A libertação de água, que deve arrancar a partir de quinta-feira, começa quase 12 anos e meio após a fusão nuclear de Março de 2011, causada por um forte sismo e tsunami.

      As autoridades chinesas também afirmaram que vão manter um “elevado grau de vigilância” sobre as importações de alimentos do Japão.

      Desde 2011, a China mantém a proibição sobre a importação de alimentos de uma dúzia das 47 províncias que compõem a nação insular, incluindo Fukushima, e analisa rigorosamente toda a documentação dos itens alimentares que chegam de outras partes do Japão, especialmente no caso de alimentos de origem aquática.

      Embora vários países tenham levantado muitas das suas restrições nos últimos anos, a China só em 2018 retomou a importação de arroz da província japonesa de Niigata.

      O Chefe do Executivo de Hong Kong, John Lee, garantiu ontem que a descarga é “irresponsável” e “arriscada”. O governante pediu aos departamentos governamentais daquela região administrativa especial chinesa que imponham controlos sobre os produtos de origem aquática provenientes do Japão, para “garantir a segurança alimentar e a saúde” da população. Lusa

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau