Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
29.7 ° C
31.9 °
29.3 °
89 %
4.6kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioInternacionalJulho foi o mês mais quente alguma vez registado na Terra

      Julho foi o mês mais quente alguma vez registado na Terra

      Julho foi o mês mais quente alguma vez registado na Terra, informou ontem o serviço europeu Copernicus. O organismo informou também que a massa de gelo da Antártida atingiu a extensão mais baixa para um mês de Julho desde o início das observações por satélite, 15% abaixo da média para o mês.

       

      O mês passado, marcado por ondas de calor e incêndios em todo o mundo, foi 0,33°C mais quente do que o mês que detinha o recorde até agora (Julho de 2019, quando se registou uma média de 16,63°C). A temperatura do ar foi também 0,72°C mais quente do que a média (1991-2020) em Julho, indicou o Copernicus.

      Já em 27 de Julho, mesmo antes do final do mês, os cientistas tinham considerado “extremamente provável” que este fosse o mês mais quente de que há registo, no conjunto de todas as estações. Um dado que levou o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, a afirmar que a Humanidade tinha deixado para trás a era do aquecimento global para entrar na da “ebulição global”.

      Os oceanos também testemunham esta evolução preocupante, com temperaturas à superfície anormalmente elevadas desde abril e níveis sem precedentes em Julho. Em 30 de Julho, foi estabelecido um recorde absoluto de 20,96°C e, no conjunto do mês, a temperatura à superfície foi 0,51°C superior à média (1991-2020).

      “Acabámos de assistir a novos recordes de temperaturas globais do ar e à superfície dos oceanos em Julho. Estes recordes têm consequências desastrosas para as pessoas e para o planeta, que está exposto a fenómenos extremos mais frequentes e mais intensos”, sublinhou a diretora-adjunta do Serviço Europeu de Monitorização das Alterações Climáticas do Copernicus, Samantha Burgess.

      Os sinais do aquecimento global provocado pelas actividades humanas – a começar pela utilização de combustíveis fósseis (carvão, petróleo, gás) – surgem um pouco por todo o mundo: na Grécia, parcialmente devastada pelas chamas, bem como no Canadá, que também sofreu terríveis inundações; visível no calor avassalador no sul da Europa, no norte de África, no sul dos Estados Unidos e numa parte da China, que pouco depois sofreu chuvas torrenciais.

      O Copernicus informou também que a massa de gelo da Antártida atingiu a extensão mais baixa para um mês de Julho desde o início das observações por satélite, 15% abaixo da média para o mês.

      Samantha Burgess salientou ainda que “2023 é atualmente o terceiro ano mais quente, com 0,43°C acima da média recente” e “uma temperatura média global em Julho 1,5°C acima dos níveis pré-industriais”.

      O valor de 1,5°C é altamente simbólico, pois é o limite mais ambicioso estabelecido pelo Acordo de Paris de 2015 para limitar o aquecimento global. No entanto, o limite referido neste acordo internacional refere-se a médias de muitos anos e não apenas a um único mês. “Mesmo que tudo isto seja apenas temporário, mostra a urgência de fazer esforços ambiciosos para reduzir as emissões globais de gases com efeito de estufa, a principal causa destes registos”, concluiu Samantha Burgess.

      O ano de 2023 pode não ter terminado de bater recordes. “Esperamos um final de ano relativamente quente em 2023 devido ao desenvolvimento do fenómeno El Nino”, salientou o Copernicus. Este fenómeno climático cíclico sobre o Pacífico é sinónimo de um aquecimento global adicional. Lusa

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau