Edição do dia

Quarta-feira, 28 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
15.9 ° C
18.9 °
15.9 °
77 %
2.1kmh
40 %
Qua
20 °
Qui
21 °
Sex
17 °
Sáb
15 °
Dom
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Cultura Pinturas com técnicas mistas de Wang Bo trazem “perspectiva fresca” à Bienal...

      Pinturas com técnicas mistas de Wang Bo trazem “perspectiva fresca” à Bienal de Arte

      As pinturas de Wang Bo vão estar a encher as paredes da galeria Artelli de cores vivas e motivos geométricos, contrastando com a monocromia das obras de rabiscos a preto e branco de Mr. Doodles, cujo trabalho também estará exposto na galeria do City of Dreams no mesmo período. Cobrindo três séries de trabalhos do artista contemporâneo, a exposição a solo do pintor de Pequim vai estar de 1 de Agosto a 31 de Outubro em Macau, como parte do programa da Bienal de Arte de Macau.

       

      “Forma e Essência: Entre Complexidade e Simplicidade” é o mote de uma mostra de 16 obras de Wang Bo em que, revela a galeria Artelli, “o jovem artista analisa e apropria-se de estéticas quotidianas com audácia e vigor”, conseguindo “encapsular paisagens chinesas, reproduzir clássicos ocidentais”, e combinar “narrativas históricas visuais” que criam “uma linguagem visual envolvente que emana uma perspectiva fresca”. Com inauguração marcada para hoje, e inserida no programa da Bienal de Arte de Macau, a exposição a solo do artista natural de Pequim pode ser visitada na galeria Artelli no City of Dreams até 31 de Outubro.

      Com uma paleta de cores vibrantes e motivos geométricos limpos e visualmente agradáveis, a estética do jovem artista de Pequim vem das leituras diárias, viagens e experiências de vida. Ao PONTO FINAL, o artista partilhou que, por exemplo, a série ‘A Book’, vem dos livros que lê, e da infância. “Quando era mais novo, durante as aulas na escola gostava de usar uma esferográfica para fazer rabiscos aleatoriamente nos manuais. Quando desenhava com a esferográfica no papel, por causa da pressão da caneta sobre o papel, vi que existia a possibilidade de criar um novo espaço tridimensional, um espaço único para apresentar obras artísticas”.

      Relativamente a estas obras em que o artista recorre a livros como obra-prima, e os altera com o recurso às canetas esferográficas, Wendi Song, curadora da exposição, esclareceu ao PONTO FINAL que Wang Bo usou as canetas para fazer este “padrão complexo”, uma camada que cobre a maioria do conteúdo do livro, deixando apenas algumas imagens e palavras, e criando assim uma nova informação para dar expressão às suas ideias. “Recorrendo às canetas para fazer estas obras, ultrapassei o conteúdo original das palavras do livro, criando um novo conteúdo com estas novas imagens e palavras”, referiu o artista, acrescentando que “quando o público vem ver esta série, pode usar esta apresentação de palavras e imagens para formar a sua própria interpretação da obra original, assim como da peça de arte em si”.

      Quanto à estreia na RAEM, o artista diz que está “muito entusiasmado” com a vinda a Macau, especialmente porque é a primeira vez que colabora com o espaço artístico Artelli. “Até agora ainda não tive oportunidade de ver o local, apenas vi fotos, mas parece-me uma apresentação bastante original”.

      O PONTO FINAL quis também saber como tem sido a situação em Pequim com a reabertura das fronteiras e o fim das restrições devido à pandemia. “Pequim mudou bastante, depois da epidemia, para os artistas e sua subsistência”, indicou. “Pelo que eu sei, quando foi o fim das restrições e a China se voltou a abrir, para os meus amigos artistas e eu, que vivemos num processo contínuo de criatividade, criativamente é como se nada tivesse mudado, mas, claro, ainda não podemos comparar a situação actual ao que era antes da pandemia”. Wang Bo reconhece que há mais exposições a serem organizadas, mas a situação económica “ainda não está muito boa”.

       

      PINTURAS DE FUSÃO

       

      Na galeria Artelli também vai ser possível ver outras duas séries de pinturas de Wang Bo: “Statement of Keepsake” e “All Grids for One”. Nesta última, o artista usa papel Dongba, do grupo étnico Naxi de Yunnan, e cobre-o com tintas acrílicas coloridas, fundindo materiais “antigos” com texturas e estéticas modernas. “Em cada grelha parece ficar gravado um túnel de ‘viagem’ no tempo, transformando o tempo e a experiência numa substância tangível, rica em forma, textura e cor”, esclareceu a organização. Como extensão da série anterior, a série “Statement of Keepsake”, composta por pinturas em acrílico e técnica mista, recorre a colagens de blocos de cor “racionais e contidos”, em que Wang Bo “reconstrói e interpreta a essência das paisagens chinesas e dos padrões clássicos ocidentais nas suas obras, apresentando-os numa linguagem artística simples, mas rítmica e singularmente caraterística”.

      A curadora Wendi Song referiu que a galeria Artelli habitualmente traz artistas vanguardistas a Macau, mas que Wang Bo é o primeiro jovem artista chinês que a galeria Artelli seleccionou, e em particular para o contexto da Bienal de Arte. Wendi referiu que “a galeria quer ser uma plataforma de troca multicultural de arte”, e a sua contribuição como curadora, no papel de mediadora entre Wang Bo e a galeria, começou com a galeria a pedir o apoio de Wendi Song na procura e sugestão de artistas contemporâneos chineses. Depois de apresentar vários, Wang Bo foi o seleccionado, uma escolha que em parte foi devida a outra exposição que está também patente no mesmo espaço. “Como na altura eles estavam também a preparar a exposição do artista Mr. Doodles, e ela vai ser toda a preto e branco, eles estavam à procura de obras que fossem completamente diferentes, por contraste”. As duas exposições vão, portanto, estar a partilhar o mesmo espaço, em paralelo, esclareceu Wendi Song, e foi por isso que se escolheu as peças de Wang Bo, mas garante que as pinturas do artista de Pequim “têm a sua própria personalidade e singularidade”.

      A galeria Artelli, defende ainda Wendi Song, “é muito diferente das outras galerias em Macau”, com trabalhos contemporâneos inovadores e com nomes internacionais de destaque que estão a vir a Macau pela primeira vez. “Esta galeria consegue dar espaço a estes jovens e comercializar as suas obras. Pela sua experiência na venda a retalho, a galeria está a conseguir explorar esta faceta, e tem muito potencial”, destacou.