Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
28.1 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaPC Chinês reconhece “dificuldades" e aponta medidas para apoiar economia

      PC Chinês reconhece “dificuldades” e aponta medidas para apoiar economia

      A liderança do Partido Comunista Chinês (PCC) reconheceu ontem que a recuperação económica do país enfrenta “novas dificuldades e riscos” e sugeriu que vai adotar medidas para apoiar o crescimento na segunda metade do ano.

       

      Durante um encontro conduzido pelo secretário-geral do PCC e Presidente do país, Xi Jinping, o Politburo do Partido reconheceu “dificuldades” no “actual funcionamento” da economia, após o país ter anunciado, na semana passada, que o PIB (produto interno bruto) registou um crescimento homólogo de 6,3%, no segundo trimestre do ano, aquém das expectativas dos analistas, já que o efeito base de comparação, após um ano de bloqueios rigorosos, fazia prever uma taxa superior.

      Face ao primeiro trimestre do ano, a economia cresceu apenas 0,8%, sugerindo um abrandamento na recuperação, após Pequim ter desmantelado a política de ‘zero casos’ de covid-19.

      No mês passado, a taxa de desemprego entre os jovens com idades entre 16 e 24 anos também atingiu um novo recorde, de 21,3%, segundo dados oficiais.

      Os líderes chineses tradicionalmente reúnem-se no final de Julho para analisar a situação económica do país antes das férias de Verão.

      A China definiu como meta um crescimento de “cerca de 5%” para este ano, valor que pode ser difícil de alcançar, alertou o primeiro-ministro chinês, Li Qiang. “Devemos realizar uma regulação macroeconómica forte e precisa, tomar medidas anticíclicas e ter mais políticas disponíveis sobre a mesa”, indicou a ata da reunião, citada pela agência noticiosa oficial Xinhua.

      O Politburo reconheceu que a procura interna permanece “insuficiente” e que há “dificuldades nas operações de algumas empresas, riscos e perigos ocultos em áreas-chave e um ambiente externo sombrio e complexo”.

      “Devemos adoptar uma política fiscal e monetária proativa e prudente, mas também otimizar a implementação de cortes nos impostos ou aproveitar ao máximo o papel de ferramentas monetárias quantitativas e estruturais”, acrescentou a mesma nota.

      Xi Jinping pediu esforços para “expandir a procura doméstica, aumentar a confiança e prevenir riscos”. Destacou também que o Partido Comunista deve “atender às expectativas sociais” e “ampliar adequadamente a produção económica” do país.

      O Polibturo prometeu dar “forte apoio” à inovação científica e tecnológica, à economia real e ao desenvolvimento das pequenas e médias empresas.

      O PCC também garantiu que vai manter a taxa de câmbio do yuan, a moeda do país, “geralmente estável e num nível adequado e equilibrado”, e prometeu “esforços para revigorar o mercado de capitais e aumentar a confiança dos investidores”.

      No mesmo dia, o órgão máximo de planeamento económico do governo chinês anunciou um plano para atrair capital privado para projetos de infraestrutura em “sectores-chave”, como parte de uma série de iniciativas que as autoridades divulgaram nos últimos dias para tentar reanimar a recuperação pós – pandemia.

      A Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento visa especificamente setores como os transportes, a conservação dos recursos hídricos, as energias limpas, as novas infraestruturas, o setor transformador ou a modernização da agricultura. Lusa

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau