Edição do dia

Terça-feira, 18 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
30.6 ° C
33.2 °
29.9 °
89 %
4.6kmh
40 %
Ter
31 °
Qua
31 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeCusto e falta de auscultação da população no projecto em Hac...

      Custo e falta de auscultação da população no projecto em Hac Sá é “inaceitável”, diz Ron Lam  

      O Governo anunciou na terça-feira a construção de um Campo de Aventuras Juvenis da Praia de Hac Sá, com a adjudicação directa para a construção de uma estátua de Kun Iam no local, cujo orçamento é de 1,6 mil milhões de patacas. Ron Lam criticou o procedimento das autoridades, considerando que estão a actuar primeiro e só depois dão conhecimento ao público, e que não têm disciplina financeira. É “inaceitável”, diz o deputado, que assinala que o orçamento inicial da obra era de 229 milhões de patacas.

       

      O deputado Ron Lam criticou a forma como as autoridades avançaram o projecto do Campo de Aventuras Juvenis da Praia de Hac Sá, considerando que o Governo não ouviu as opiniões do público, não divulgou informações antes de iniciar os procedimentos do empreendimento, e não está a fiscalizar o bom uso do erário público.

      O Governo anunciou na terça-feira a construção do Campo de Aventuras Juvenis, com aproveitamento do terreno desocupado junto da Praia de Hac Sá e a Quinta Feliz em redor da praia. O projecto prevê ainda um reordenamento do Parque Natural da Barragem de Hac Sá, removendo a plataforma do labirinto redondo, transformando-o num miradouro com uma estátua de Kun Iam, com uma altura de 28 metros.

      “Duvido muito do Governo por actuar primeiro e dar conhecimento depois; a construção da estátua de Kun Iam também não recebeu amplo apoio dos cidadãos”, criticou. Ron Lam, citado pelo Jornal Ou Mun, salientou que o Governo não deu uma “explicação razoável” para a decisão de criar uma estátua na zona.

      Segundo as informações do Instituto para os Assuntos Municipais (IAM), a obra de “Prestação de serviços de concepção, produção e instalação de estátuas de grande porte no Parque Natural da Barragem de Hac Sá” já foi adjudicado a 14 de Abril deste ano a uma empresa de arte de Cantão, sem concurso público, num custo de 42,3 milhões de patacas, num prazo de execução de 600 dias.

      Recorde-se que o secretário para a Administração e Justiça justificou que Kun Iam representa auspiciosidade na cultura tradicional chinesa, o que coincide com a imagem de Macau, como uma terra de Lótus, afastando as críticas de que a colocação da estátua não corresponde ao estilo do Campo de Aventuras.

      “Não houve informação prévia sobre a construção de uma estátua, e já foi adjudicada, não houve nenhuma consulta”, apontou Ron Lam, que disse ter recebido relatos dos residentes e “todos estão muito desconfiados da estátua, particularmente porque o Governo só deu informações sobre o assunto depois de avançar com os trabalhos”. O deputado apontou ainda que, antes da divulgação do projecto, as obras na Barragem de Hac Sá já se encontram em curso, tendo sido removidos o “labirinto” e uma grande árvore no local.

      Ron Lam, por outro lado, citou o Plano de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração (PIDDA) recebido pelos deputados e destacou que o orçamento plurianual total do Campo de Aventuras Juvenis de Hac Sá, levado a cabo pelo IAM, era de 229 milhões de patacas. No entanto, o Governo revelou na terça-feira que o orçamento total do projecto é de 1,6 mil milhões de patacas.

      “Aumentou sete vezes e nada foi esclarecido ao público”, assinalou Ron Lam, acrescentando que a diferença “é inaceitável”. Ron Lam realçou que, no PIDDA, também não se encontra menção ao projecto da Barragem de Hac Sá. “Não há qualquer disciplina financeira em todo o processo”, criticou.

      Por outro lado, depois de o Governo ter anunciado a construção do Parque Desportivo para os Cidadãos no antigo Canídromo e do Campo de Aventuras Juvenis da Praia de Hac Sá, várias figuras elogiaram os projectos. Os deputados da Federação das Associações dos Operários de Macau, Ella Lei e Leong Sun Iok, acreditam que as instalações vão elevar a qualidade de vida dos residentes. “Para o projecto em Hac Sá que se dedica às actividades de aventura para jovens, espera-se que continue a manter a comunicação com cidadãos para garantir a construção de áreas recreativas que atendam às necessidades dos utentes”, sublinhou, numa nota enviada à imprensa.

      Já Leong Chong In, Lei Sio Chou e Chong Coc Veng, membros do Conselho Consultivo para os Assuntos Municipais, acreditam que o projecto em Hac Sá pode fornecer mais espaços de actividades ao ar livre aos jovens, podendo tornar-se uma nova atracção da cidade com adição de elementos culturais e arquitectónicos.