Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
28.1 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioInternacionalAlemanha e França acusam Rússia de minar segurança alimentar global

      Alemanha e França acusam Rússia de minar segurança alimentar global

       

      As diplomacias de Alemanha e França acusaram ontem a Rússia de minar a segurança alimentar global, após a não renovação por Moscovo dos acordos de exportação de cereais no mar Negro e dos ataques contra instalações portuárias ucranianas. A ministra dos Negócios Estrangeiros alemã, Annalena Baerbock, afirmou ontem que os bombardeamentos russos em Odessa, epicentro das exportações cerealíferas ucranianas, “atingem os mais pobres do mundo”. “Mesmo que a via do mar Negro seja dificilmente substituível, apoiamos o Presidente [ucraniano] Volodymyr Zelensky e a Ucrânia (…) a encontrar vias de transporte alternativas. Por exemplo, através das linhas de solidariedade da União Europeia por via fluvial, ferroviária e rodoviária”, disse na rede social Twitter. Na sequência de um anterior ataque na terça-feira, na última noite foram destruídas nos ataques russos cerca de 60.000 toneladas de cereais destinados à exportação e armazenados do porto ucraniano de Tchornomorsk, perto de Odessa, afirmou o ministro da Agricultura ucraniano. “Será necessário pelo menos um ano para reparar integralmente as infraestruturas danificadas. No porto de Tchornomorsk, também foram destruídas 60.000 toneladas de cereais e que deveriam ter sido expedidas há 60 dias através do corredor cerealífero”, anunciou Mykola Solsky em comunicado ontem divulgado na página digital do seu ministério. “A infraestrutura cerealífera dos negociantes e transportadores internacionais foi a mais atingida”, prosseguiu, considerando que “a segurança alimentar mundial está de novo em perigo” com os ataques alegadamente dirigidos às estruturas ucranianas relacionadas com a exportação de cereais. A francesa CMA-CGM ou o grupo canadiano Viterra incluem-se entre as empresas cujas infraestruturas sofreram danos, segundo o ministro.

      Também a França condenou ontem a decisão russa de acabar com a sua participação no acordo de exportação de cereais ucranianos, dizendo que Moscovo deveria “parar com a sua chantagem sobre a segurança alimentar mundial”. “A Rússia é a única responsável por bloquear a navegação neste espaço marítimo e está a impor um bloqueio ilegal aos portos ucranianos”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da França em comunicado, instando a Rússia a “reverter sua decisão”. Moscovo anunciou na segunda-feira o fim “de facto” do acordo para exportação de cereais ucranianos, considerados cruciais para a alimentação mundial, dado que a Ucrânia é um dos maiores produtores mundiais. O presidente russo, Vladimir Putin, denunciou repetidamente os obstáculos à exportação de alimentos e fertilizantes russos, que deveriam acompanhar os produtos ucranianos.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau