Edição do dia

Sábado, 22 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
31.9 ° C
32.9 °
31.9 °
79 %
4.1kmh
20 %
Sáb
32 °
Dom
30 °
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeMais pessoas estão a recorrer à linha da Caritas para prevenção do...

      Mais pessoas estão a recorrer à linha da Caritas para prevenção do suicídio

       

      Paul Pun, secretário-geral da Caritas Macau, estima que este ano haja um aumento do número de chamadas recebidas pela linha de apoio para a prevenção do suicídio. Só no primeiro semestre do ano registaram-se 260 chamadas, ou seja, uma média de mais de 43 chamadas por mês. Em 2022, a média foi de cerca de 33 pedidos de apoio por mês. O responsável da Caritas explicou ao PONTO FINAL que o aumento de pedidos de apoio tem a ver, em parte, com as expectativas pós-pandemia da população, que têm saído goradas.

       

      Paul Pun prevê que este ano haja um aumento do número de chamadas recebidas pela linha de apoio da Caritas para a prevenção do suicídio. Em declarações ao PONTO FINAL, o secretário-geral da Caritas Macau explicou que este aumento em 2023 poderá ter a ver com dois factores: a consciencialização da população para a linha de apoio e também as expectativas pós-pandemia que não se têm cumprido, afectando emocionalmente alguns cidadãos.

      De acordo com os dados cedidos por Paul Pun ao PONTO FINAL, nos meses de Janeiro a Junho deste ano registaram-se, no total, 260 chamadas para a linha de apoio para a prevenção do suicídio. Na totalidade do ano passado, foram contabilizadas 401 chamadas. Ou seja, no primeiro semestre de 2023 a média mensal de chamadas foi de mais de 43, enquanto em 2022 a média de chamadas para a linha Esperança de Vida foi de 33.

      Por um lado, a consciencialização da população para as formas de apoio da Caritas tem tido o efeito benéfico de fazer com que mais pessoas com pensamentos suicidas peçam ajuda à instituição. “Quanto mais pessoas ligarem, melhor. É melhor do que não ligar”, afirmou Paul Pun.

      Por outro lado, no geral, “o número de pessoas que pensa em cometer suicídio está a aumentar”, segundo Paul Pun. Porque é que, já sem restrições pandémicas, há mais comportamentos suicidas? O secretário-geral da Caritas explica que a culpa é das expectativas pós-pandemia: “Há pessoas que esperavam que o futuro fosse bom após a pandemia, mas, de facto, a realidade não acompanhou a sua expectativa. Há quem tivesse pensado que, depois da pandemia e das quarentenas, tudo iria ser normal, mas não é bem assim”.

      A Caritas apela a que quem esteja em situação de desespero com pensamentos suicidas ligue para a linha Esperança de Vida através dos números 28525222 ou 28525777. Através desta linha, voluntários e assistentes sociais providenciam apoio emocional. A Caritas tem também um outro serviço em que vai a escolas mostrar a professores e alunos como identificar indícios de que alguém está com problemas emocionais que possam eventualmente levar ao suicídio. “Se salvarmos uma vida já cumprimos o objectivo do nosso programa”, afirmou Paul Pun.

      Segundo as estatísticas dos Serviços de Saúde relativas ao ano passado, em 2022 verificaram-se no total 73 mortes por suicídio, mais do que nos últimos quatro anos. Em 2018 houve 68 suicídios, em 2019 foram 56, em 2020 registaram-se 69 e em 2021 foram 50. Já este ano, durante o primeiro trimestre, contabilizaram-se 23 suicídios.