Edição do dia

Terça-feira, 25 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nublado
33.2 ° C
33.2 °
33.2 °
78 %
5.2kmh
99 %
Ter
33 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaChina opõe-se à venda de armas dos Estados Unidos a Taiwan

      China opõe-se à venda de armas dos Estados Unidos a Taiwan

      O Ministério da Defesa da China manifestou ontem “firme oposição” à venda de armas dos Estados Unidos a Taiwan. “A China opõe-se firmemente à venda de armas dos EUA a Taiwan e apresentou protestos severos junto das autoridades norte-americanas”, declarou o porta-voz do Ministério Tan Kefei, em conferência de imprensa.

      “Os EUA estão a ignorar as principais preocupações da China, ao interferir de forma grosseira nos assuntos internos da China e ao aumentar deliberadamente as tensões no estreito de Taiwan. Isto equivale a acelerar a transformação de Taiwan num ‘barril de pólvora’ e a empurrar o povo taiwanês para o abismo do desastre”, acrescentou.

      Pequim instou os EUA a “respeitarem o princípio de uma só China” e a “deixarem imediatamente de vender armas” a Taipé. A China apelou igualmente para que “ponham termo a qualquer forma de conluio militar entre os EUA e Taiwan e honrem seriamente o compromisso de não apoiar a independência de Taiwan”.

      O Departamento de Estado norte-americano anunciou, na sexta-feira, ter aprovado uma possível venda de armas a Taiwan no valor de 440 milhões de dólares. “A proposta de venda deste equipamento e apoio não vai alterar o equilíbrio militar de base na região”, lê-se no comunicado do Departamento de Estado norte-americano.

      Taiwan detecta 26 caças e quatro navios de guerra chineses nas imediações da ilha

      O Ministério da Defesa de Taiwan detectou ontem 26 caças e quatro navios de guerra do exército chinês nas imediações da ilha.

      Nove aparelhos atravessaram o espaço aéreo a sudoeste, pelo que as Forças Armadas de Taiwan monitorizaram a situação e responderam com o destacamento de aviões, navios e sistemas de mísseis terrestres, informou o Ministério da Defesa taiwanês na rede social Twitter.

      A escalada das tensões na região começou com a viagem à ilha da ex-presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos Nancy Pelosi, em agosto do ano passado, e a situação agravou-se depois de a visita da líder de Taiwan, Tsai Ing-wen, aos EUA, onde se reuniu com vários congressistas norte-americanos, apesar dos avisos de Pequim.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau