Edição do dia

Sexta-feira, 24 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
25.8 ° C
25.9 °
25.4 °
94 %
4.1kmh
40 %
Qui
26 °
Sex
26 °
Sáb
26 °
Dom
28 °
Seg
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioOpiniãoDescarga de água contaminada por energia nuclear no Japão é uma violação...

      Descarga de água contaminada por energia nuclear no Japão é uma violação flagrante da lei e da consciência

      O plano do governo japonês de descarregar no mar as águas contaminadas de Fukushima tem sido questionado e alvo de oposição por parte da comunidade internacional. Recentemente, fontes japonesas afirmaram que as águas residuais com trítio da central nuclear de Fukushima Daiichi serão oficialmente descarregadas no mar este verão. A parte japonesa ignorou os pareceres profissionais e abalizados das instituições internacionais e a oposição nacional e internacional, e ignorou o ambiente marinho global e a saúde pública ao forçar a descarga de água contaminada por energia nuclear no mar, o que é um ato extremamente irresponsável.

      A descarga de água contaminada por energia nuclear no mar por parte do Japão causará danos sem fim. A proposta de descarga de água contaminada por energia nuclear pelo Japão não tem precedentes em termos de quantidade, duração, área envolvida e risco potencial. A água contaminada pelo reator nuclear de Fukushima contém mais de 60 tipos de radionuclídeos, muitos dos quais ainda não dispõem de tecnologia de tratamento eficaz, e alguns radionuclídeos de longa duração podem espalhar-se com as correntes oceânicas e provocar efeitos de bioconcentração. A descarga de água contaminada pela central nuclear de Fukushima no mar tem efeitos transfronteiriços e, de acordo com a informação disponível, prevê-se que dure até 30 anos. De acordo com a Agência Alemã de Investigação Científica Marinha, a costa de Fukushima tem algumas das correntes mais fortes do mundo e, no prazo de 57 dias a contar da data da descarga, o material radioativo ter-se-á espalhado pela maior parte do Oceano Pacífico e, em 10 anos, pelas águas globais. Os peritos nucleares da Greenpeace salientam também que o carbono 14 contido nas águas residuais nucleares japonesas será perigoso durante milhares de anos e poderá causar danos genéticos.

      A descarga no mar das águas contaminadas por resíduos nucleares japoneses constitui uma violação das suas obrigações ao abrigo do direito internacional. Todos os países do mundo são obrigados a cumprir as disposições da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar relativas à proteção e preservação do ambiente marinho e a trabalhar em conjunto para proteger o lar de que a humanidade depende para a sua sobrevivência. Nos termos do direito internacional geral e da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, o Japão tem a obrigação de tomar todas as medidas para evitar a poluição ambiental, de consultar plenamente os países potencialmente afectados, de avaliar e controlar os impactos ambientais, de tomar medidas de precaução para garantir a minimização dos riscos, de garantir a transparência da informação e de se empenhar na cooperação internacional. A AIEA só pode avaliar as opções escolhidas pela parte japonesa, mas não outras opções de eliminação para além da descarga no mar. Por conseguinte, independentemente do relatório final emitido pela AIEA, este não pode ser um “talismã” ou um “passe” para o Japão descarregar no mar águas contaminadas por materiais nucleares.

      A descarga no mar de águas contaminadas com material nuclear do Japão é uma violação da consciência humana. A descarga no mar não é a única opção para a eliminação das águas contaminadas pelo reator nuclear de Fukushima, nem é a forma mais segura e óptima de eliminação. No entanto, por considerações de custo, a parte japonesa decidiu unilateralmente eliminar a água contaminada por energia nuclear descarregando-a no mar sem esgotar os meios de eliminação seguros, transferindo descaradamente o risco de contaminação nuclear para toda a humanidade. O Governo japonês está a tentar fazer crer que a água tratada contaminada por energia nuclear é limpa e segura para beber, mas, de acordo com os resultados divulgados pela parte japonesa, cerca de 70% da água tratada contaminada por energia nuclear continua a não cumprir as normas. Há mesmo relatos de que o nível de césio radioativo em peixes marinhos recentemente capturados no porto da central nuclear de Fukushima excedeu em 180 vezes a norma legal do Japão. É digno de nota que, enquanto alguns governos e meios de comunicação ocidentais têm estado dispostos a especular sobre questões ambientais, como o acidente nuclear de Chernobyl na União Soviética e as tempestades de neblina e poeira na China, reagiram ao que o governo japonês fez de uma forma invulgarmente calma, evitando ou mesmo concordando com os perigos das descargas no mar.

      É preciso salientar que o oceano não é um caixote do lixo para o Japão e que o Oceano Pacífico não é um esgoto para o Japão. O Japão deve enfrentar as preocupações da comunidade internacional, cumprir fielmente as suas obrigações internacionais, deixar de insistir nos seus planos de descargas no mar, estudar e demonstrar cabalmente as melhores opções de eliminação que não sejam as descargas no mar e assegurar que a água contaminada por energia nuclear seja eliminada de forma científica, aberta, transparente e segura e sujeita a uma rigorosa supervisão internacional, em vez de infringir o bem-estar da humanidade e de se opor à comunidade internacional!

       

      Liu Xianfa
      Comissário do Ministério dos Negócios Estrangeiros em Macau