Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
27.9 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
4.6kmh
40 %
Dom
28 °
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioUncategorizedCriado pavilhão lusófono no maior centro de comércio por grosso do mundo

      Criado pavilhão lusófono no maior centro de comércio por grosso do mundo

       

      Macau e a província de Zhejiang, no leste da China, assinaram ontem um acordo para criar um espaço dos países de língua portuguesa no maior centro de comércio por grosso de pequenos produtos do mundo.

       

      O acordo, assinado durante um evento dedicado à cooperação económica e comercial entre Zhejiang, Macau e os países de língua portuguesa, prevê o estabelecimento do Pavilhão dos Países e Regiões de Língua Portuguesa de Macau no Centro do Comércio Global de Yiwu.

      Este centro, na cidade de Yiwu, conta com uma área de cinco milhões de metros quadrados, que reúne quase dois milhões de diferentes tipos de produtos em mais de 75 mil lojas. É considerado pelo Banco Mundial o maior centro de comércio por grosso de pequenos produtos do mundo.

      Yiwu, com 1,2 milhões de habitantes, é o ponto de partida de ligações ferroviárias que levam mercadorias da China, atravessam o Cazaquistão, Rússia, Bielorrússia e Polónia, entrando na Europa central através da Alemanha e chegando até Madrid.

      No mesmo evento, que decorreu em Macau, o líder do Partido Comunista Chinês em Zhejiang, Yi Lianhong, disse que a província quer atrair empresas de língua portuguesa Yi apontou como prioridades as áreas da economia do mar, biomedicina, transporte aéreo, investigação científica e formação profissional.

      O dirigente acrescentou que a província, com 65 milhões de habitantes e a quarta maior economia da China, gostaria ainda de “recorrer à plataforma de Macau para reforçar a cooperação com a América Latina e a Europa”.

      Yi Lianhong aproveitou a sessão para convidar os representantes dos países de língua portuguesa a visitarem a capital de Zhejiang, Hangzhou, que vai receber a próxima edição dos Jogos Asiáticos, entre 23 de setembro e 08 de outubro.

      O evento multidesportivo da Ásia vai contar com intérpretes de língua portuguesa, voluntários da Universidade de Línguas Estrangeiras de Zhejiang, uma das 25 instituições de ensino superior da China continental que oferecem licenciaturas em português.

      Timor-Leste é o único país de língua oficial portuguesa que vai participar nos Jogos Asiáticos. Macau, região administrativa especial chinesa onde o português continua a ser língua oficial, também vai ter atletas na competição.

      Em Abril, o presidente da Câmara de Comércio de Pequenas e Médias Empresas Portugal – China, Chow Y Ping, disse à Lusa que estava a tentar criar um fundo envolvendo entidades portuguesas e a província de Zhejiang. “Grande parte dos emigrantes em Portugal, Espanha, França e Itália são dessa região”, disse o empresário, que também lidera a Liga dos Chineses em Portugal.

      A única ligação direta entre Portugal e a China parte de Lisboa com destino a Hangzhou, com uma frequência de dois voos por semana, operados pela companhia aérea chinesa Capital Airlines.

       

      Chefe do Executivo quer maior cooperação com província de Zhejiang

       

      O Chefe do Executivo esteve presente ontem na Sessão de Cooperação e Intercâmbio Económico e Comercial entre Zhejiang, Macau e os Países de Língua Portuguesa 2023. No discurso proferido na ocasião, Ho Iat Seng assinalou que “a RAEM irá agarrar as oportunidades do desenvolvimento nacional, potenciar as vantagens únicas de Macau e elevar, em conjunto com Zhejiang, a cooperação bilateral a um patamar mais elevado, de melhor qualidade e mais vasto, em prol do desenvolvimento e progresso comuns”.

      “A construção da Zona de Cooperação Aprofundada está a ser promovida de forma sólida e apelamos à participação dos diversos sectores da Província de Zhejiang”, afirmou Ho Iat Seng no seu discurso.

      O Chefe do Executivo referiu que Zhejiang e Macau “têm desde sempre persistido na complementaridade de vantagens e na intensificação constante da sua relação económica e comercial e da circulação de pessoas”, assinalando que, nos primeiros quatro meses do corrente ano, o número de visitantes oriundos daquela província aumentou quase 4,3 vezes face ao período homólogo. Por outro lado, em 2022, as importações e exportações totais de mercadorias entre Zhejiang e Macau cresceram 164,9% em termos anuais, e cerca de 65,9% entre Janeiro e Abril deste ano, face ao período homólogo. Além disso, no ano passado, segundo os dados do Chefe do Executivo, estabeleceram-se em Macau mais 32 empresas de Zhejiang. Já este ano, entre Janeiro e Abril, as importações e exportações totais de mercadorias entre a província de Zhejiang e os países de língua portuguesa atingiram 52,37 mil milhões de renminbi, o que corresponde a um aumento de cerca de 23,7% em comparação com o período homólogo.

      No discurso, Ho Iat Seng repetiu que, “com a recuperação estável do número dos turistas e o restabelecimento evidente do respectivo consumo, a sociedade está cada vez mais confiante na recuperação económica de Macau” e reiterou que “Macau está actualmente empenhada na aceleração da implementação da estratégia do desenvolvimento da diversificação adequada da economia ‘1+4′”.

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau