Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
28.1 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaPrincipais bancos da China reduzem remuneração dos depósitos para estimular economia

      Principais bancos da China reduzem remuneração dos depósitos para estimular economia

       

      Os principais bancos estatais da China reduziram ontem as taxas dos depósitos a prazo, visando estimular o crescimento da segunda maior economia mundial, face à recuperação débil registada após o fim da estratégia ‘zero covid’.

      Vários indicadores económicos, incluindo o comércio externo, consumo ou actividade da indústria transformadora sugerem um desaceleramento na recuperação da economia da China, após Pequim ter abolido, em dezembro, as medidas de prevenção contra a covid-19, que no ano passado empurraram o país para um ciclo de bloqueios e estagnação.

      Para desencorajar a poupança, de modo a promover a atividade e apoiar a economia, os principais bancos do país reduziram as taxas para a remuneração dos depósitos.

      O Banco Industrial e Comercial da China, o Banco de Construção da China, o Banco da China e o Banco Agrícola da China reduziram em cerca de 15 pontos base a taxa de remuneração para depósitos a prazo.

      A medida, que responde a um pedido do Governo chinês, entrou ontem em vigor. “É provável que os bancos menores sigam o exemplo”, afirmou Ting Lu, analista do banco de investimento japonês Nomura Bank.

      Os principais bancos chineses já tinham reduzido em setembro, pela primeira vez desde 2015, a taxa de juros dos depósitos. Segundo dados divulgados na quarta-feira pelas alfândegas da China, as exportações do país registaram em maio uma queda homóloga de 7,5%, enquanto as importações caíram 4,5%.

      A recuperação do consumo em Maio ficou também aquém do esperado, sinalizando falta de confiança dos consumidores, perante as fracas perspetivas económicas e possíveis perdas de empregos.

      Segundo dados divulgados pelo Gabinete Nacional de Estatística (GNE) da China, a taxa oficial de desemprego jovem (entre os 16 e 24 anos) ascendeu a 20,4% em Abril, um novo máximo histórico e muito acima do valor de 13% registado em 2019, antes da pandemia.

      Também a atividade da indústria transformadora da China voltou a contrair no mês passado, de acordo com dados oficiais divulgados na semana passada.

      Cortes nas taxas fixadas pelo Banco Popular da China (banco central) são esperados devido à “rápida deterioração” de vários indicadores económicos, disse Ting Lu.

      O crescimento económico nos primeiros três meses do ano acelerou para 4,5%, em comparação com igual período de 2022, mas os analistas dizem que o pico da recuperação provavelmente já passou. O ritmo de crescimento ficou também aquém da meta estabelecida pelo Partido Comunista para este ano: “cerca de 5%”.