Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
28.1 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaHong Kong tem quase 1.500 presos políticos

      Hong Kong tem quase 1.500 presos políticos

       

      A activista pró-democracia Carmen Lau revelou em Londres, onde está refugiada, que estão detidos 1.491 presos políticos em Hong Kong acusados de violar a lei de segurança nacional e de outros delitos.  “Há cada vez mais presos políticos nas prisões de Hong Kong, não só ao abrigo da lei de segurança nacional, mas também com muitas outras acusações”, afirmou, durante o seminário “Navegar no futuro da democracia de Hong Kong”, organizado pelo centro de estudos Chatham House.

      Além dos quase 1.500 presos políticos, referiu que 85 organizações de sociedade civi terão sido dissolvidas após a introdução da lei de Segurança Nacional, em 2020.

      Nathan Law, outro activista que também procurou refúgio no Reino Unido devido ao risco de detenção, confirmou que “nos últimos dias surgiram novos processos com acusações a manifestantes ao fim de quatro anos” dos protestos antigovernamentais de 2019.  “São mais de mais de uma dúzia de manifestantes com acusações apresentadas há poucos dias”, afirmou o antigo deputado, que fugiu antes de um julgamento por participar numa vigília em memória do massacre de Tiananmen em 2020.

      Law já tinha estado preso pelo papel no movimento ‘Occupy’, que ficou conhecido como ‘Umbrella Revolution’ em 2014.

      O antigo deputado recordou que outras figuras proeminentes, como Jimmy Lai, Benny Tai e Joshua Wong estão detidos “há mais de dois anos sem terem sido condenados”.

      Alguns, como Gwyneth Ho e Chow Hang-tung, têm sido “muito fortes a enfrentar esses julgamentos, não se importam com o número de anos que vão receber”.

      Outros, continuou o ativista, adoptam uma abordagem mais pragmática e declaram-se culpados, não por acreditarem que fizeram algo de errado, mas porque podem reduzir a pena e sair da prisão o mais cedo possível.

      Vários detidos estão “mentalmente deprimidos [por estarem] separados dos seus entes queridos há anos”, revelou.

      Tanto Carmen Lau como Nathan Law estavam em risco de serem detidos e refugiaram-se no Reino Unido, país que desde 2021 concedeu visto de residência a 160.000 residentes de Hong Kong com passaporte britânico.

      O passaporte britânico foi concedido àqueles que nasceram antes de 1 de Julho de 1997, data da transferência da administração da antiga província britânica para a China.  “Para os activistas exilados, tem sido muito difícil instalar-se num novo país e tentar familiarizar-se com uma nova comunidade”, reconheceu Lau.

      Para Nathan Law, o desafio agora é mobilizar os antigos habitantes de Hong Kong no Reino Unido continuar a fazer campanha sobre a situação naquele território para a comunidade internacional continuar a pressionar Pequim.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau