Edição do dia

Quinta-feira, 23 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.4 ° C
28.2 °
25.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Qui
27 °
Sex
26 °
Sáb
27 °
Dom
28 °
Seg
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaActividade da indústria transformadora da China voltou a contrair em Maio

      Actividade da indústria transformadora da China voltou a contrair em Maio

       

      A actividade da indústria transformadora da China voltou a contrair em maio, de acordo com dados oficiais divulgados ontem, ilustrando a recuperação débil da segunda maior economia mundial, após o fim da estratégia ‘zero covid’. O índice de gestores de compras, elaborado pelo Gabinete Nacional de Estatística (GNE) da China, fixou-se nos 48,4 pontos, em Maio.

      Quando se encontra acima dos 50 pontos, este indicador sugere uma expansão do setor, enquanto abaixo dessa barreira pressupõe uma contração da atividade. O índice é tido como um importante indicador da evolução da segunda maior economia do mundo.

      Trata-se da segunda vez este ano que aquele indicador regista uma contração da actividade, depois de se ter fixado nos 49,2 pontos em Abril.

      A indústria chinesa foi prejudicada pela queda na procura global, depois de os bancos centrais dos Estados Unidos, Europa e países asiáticos terem subido as taxas de juro, visando travar a inflação galopante. O GNE publicou ainda o índice de gestores de compras para o sector não transformador, incluindo construção e serviços.

      Os gastos dos consumidores chineses recuperaram em maio, impulsionados pelos três dias de feriado, por ocasião do Dia do Trabalhador. Os subsetores dos transportes ferroviário e aéreo, alojamento e restauração mantiveram-se em expansão, enquanto a actividade no mercado imobiliário caiu.

      A recuperação do consumo foi impulsionada pelo fim da política de ‘zero casos’ de covid-19, que vigorou ao longo de quase três anos na China. No ano passado, o surgir da altamente contagiante variante Ómicron empurrou o país para um ciclo de bloqueios que paralisaram a atividade económica. Mas a recuperação do consumo foi mais fraca do que o esperado e os analistas estão a rever em baixa as suas expectativas para a economia. Os bancos de investimento Nomura e Barclays cortaram já as previsões de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) da China em 2023.

      “O nível de prosperidade económica da China recuou e as bases para a recuperação e o desenvolvimento ainda precisam de ser consolidadas”, reconheceu Zhao Qinghe, estatístico do GNE, na apresentação dos dados.

      O ritmo de crescimento da economia chinesa cresceu 4,5% no primeiro trimestre do ano, em relação ao mesmo período do ano anterior, aquém da meta estabelecida pelo Partido Comunista para este ano, de “cerca de 5%”.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau