Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
28.1 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeDeputado quer mais participação dos artistas locais na produção de concertos

      Deputado quer mais participação dos artistas locais na produção de concertos

      A realização de uma série de concertos de artistas internacionais em Macau está a impulsionar o desenvolvimento do turismo, apontou Chan Hou Seng. O deputado disse estar optimista com o avanço dos elementos não-jogo, contudo, defende que o Governo deve cooperar com as concessionárias para formar mais profissionais relacionados com a arte e dar oportunidades aos trabalhadores do meio artístico-cultural locais.

      Com o fim de restrições e a entrada em vigor da nova lei de jogo, as concessionárias de jogo lançaram iniciativas, desde o início do ano, para convidar artistas de Hong Kong e do estrangeiro para a realização de concertos em Macau. O deputado da Assembleia Legislativa Chan Hou Seng salientou que os eventos têm atraído um grande número de turistas a Macau, o que vai ao encontro do objectivo do Governo de promover o desenvolvimento de elementos não-jogo, argumentando, porém, que deve haver mais participação das empresas e profissionais locais na execução dos eventos.

      Chan Hou Seng sublinhou que os concertos realizados nos últimos meses “promoveram efectivamente” o desenvolvimento da indústria do turismo e favoreceram os sectores relacionados, por terem promovido informações dos concertose de Macau nas redes sociais, bem como atraído grandes grupos de fãs para visitar o território.

      “No entanto, as empresas locais de entretenimento e do meio artístico-cultural podem não beneficiar e obter resultados imediatos. Os concertos de grande escala implicam muitas vezes trabalhos de preparação na fase inicial e contam com equipa completa”, apontou o deputado, em declarações ao Jornal de Cidadão, frisando que as empresas e equipas locais de entretenimento podem não ser capazes neste momento departicipar, ou até dominar, as tarefas de preparação dos concertos que se realizam em Macau.

      O também curador e trabalhador cultural mostrou-se, contudo, optimista face ao desenvolvimento a longo prazo, sendo que a contratação de trabalhadores locais pode ser uma solução para a questão. “Os funcionários locais podem ajudar no futuro as empresas estrangeiras no planeamento dos concertos, com custo de produção mais baixo do que as equipas fora de Macau. Como a região está equipada com mão-de-obra e instalações adequadas, mais empresas e profissionais locais podem aumentar a participação da realização dos eventos”, referiu.

      Além disso, Chan Hou Seng recordou que o Governo exigeàs seis operadoras de jogo um investimento de mais de 100 mil milhões de patacas nos próximos dez anos para alargar os mercados de fontes turísticas estrangeiras e desenvolver projectos não relacionados ao jogo.

      “O desenvolvimento desigual dos recursos humanos apresenta certos impactos na indústria. Sugiro que o sector comunique mais com o Governo e procure oportunidades de cooperação com as concessionárias de jogo, de modo a encontrar novas direcções de desenvolvimento. É importante cultivar e formar mais talentos locais de administração da arte e recursos humanos de vertente relevante”, asseverou.

      O antigo director do Museu de Arte de Macau, nesse sentido, solicitou mais incentivos para o sector doentretenimento a colaborar com as operadoras de jogo para encontrarem mais oportunidades de apresentações dos artistas locais, quer no território, quer em Hong Kong, no interior da China ou no exterior.

      Prevendo que as oportunidades para a indústria do entretenimento vão aumentar significativamente à medida que o Governo promove de forma activa os elementos não relacionados a jogos de fortuna e azar, Chan Hou Seng esperaque, além de realizar “espectáculos de celebridades”, as concessionárias convidem também músicos locais a actuar. “A promoção dos espectáculos dos artistas locais permitirá ao mundo exterior compreender o desenvolvimento das artes performativas de Macau e a perspectiva espiritual dos artistas de Macau”, afirmou.