Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
28.1 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaPM russo diz na China que sanções falharam e promete reforçar laços...

      PM russo diz na China que sanções falharam e promete reforçar laços com Pequim

      O primeiro-ministro russo, Mikhail Mishustin, disse ontem, em Xangai, que as sanções impostas pelo Ocidente para “destruir” a economia russa falharam nos seus objectivos, prometendo aprofundar os laços económicos com a China. Citado pela agência de notícias Sputnik, Mishustin afirmou que “nenhuma das coisas com que os nossos críticos sonharam se realizou”, num discurso proferido no Fórum Empresarial Rússia – China, que se realizou em Xangai, a “capital” económica da China. O primeiro-ministro russo, que está a realizar uma visita de dois dias à China, prometeu ainda aprofundar os laços económicos com o país asiático.

      “Estou certo de que este ano atingiremos a meta estabelecida pelos chefes de Estado, Vladimir Putin e Xi Jinping, de aumentar o nosso comércio para 200 mil milhões de dólares”, acrescentou, referindo-se a um valor anunciado durante uma reunião entre os dois líderes, realizada em Moscovo, em Março passado.

      As palavras de Mikhail Mishustin surgem após os países membros do G7 terem emitido fortes críticas contra os dois países, durante a cimeira do fim de semana passado, que se realizou no Japão. No Fórum Empresarial Rússia – China em Xangai estiveram vários empresários russos, alvos de sanções ocidentais, particularmente nos sectores da siderurgia, mineração e fertilizantes, segundo a agência de notícias Bloomberg. Mishustin observou que a cooperação com a China no setor energético é uma “prioridade absoluta” para Moscovo, lembrando que a Rússia é o principal fornecedor de petróleo da China e que as suas exportações de gás natural e liquefeito para a China, bem como de carvão, estão a “aumentar constantemente”.

      A China afirmou ser neutra no conflito na Ucrânia e que quer desempenhar o papel de mediador, mas mantém uma relação “sem limites” com a Rússia e recusou-se a criticar a invasão. As trocas comerciais entre China e Rússia aumentaram 34,3%, no ano passado, permitindo a Moscovo atenuar os efeitos das sanções impostas pelo Ocidente. O vice-primeiro-ministro russo responsável pela Energia, Alexandre Novak, também esteve presente no fórum empresarial. “Os fornecimentos de energia estão a crescer em grandes volumes e aumentaram significativamente em 2022. Em 2023 haverá outro aumento, de cerca de 40%”, afirmou, citado pelas agências noticiosas russas. Mishustin, que assumiu o cargo em 2020, deve reunir com o Presidente chinês, Xi Jinping, e o primeiro-ministro chinês, Li Qiang, em Pequim, esta quarta-feira, segundo uma nota difundida pela embaixada da Rússia na China. A porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Mao Ning, disse em conferência de imprensa que espera que a visita “injete um novo ímpeto para aprofundar a cooperação e os intercâmbios entre os dois países em vários âmbitos”. Questionada sobre a preocupação demonstrada por algumas nações ocidentais face ao estreitar dos laços económicos entre os dois países, Mao disse que a cooperação China – Rússia “não tem como alvo terceiros e deve estar livre da interrupção e coerção de terceiros”.

      “Sempre nos opusemos a sanções unilaterais não autorizadas pelo Conselho de Segurança da ONU e à jurisdição extraterritorial”, lembrou. “A China vai tomar todas as medidas necessárias para salvaguardar resolutamente os direitos e interesses legítimos e legais das empresas chinesas”, assegurou.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau