Edição do dia

Terça-feira, 18 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
30.6 ° C
33.2 °
29.9 °
89 %
4.6kmh
40 %
Ter
31 °
Qua
31 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaRSF e centena de executivos dos ‘media’ pedem libertação de Jimmy Lai

      RSF e centena de executivos dos ‘media’ pedem libertação de Jimmy Lai

      A organização não-governamental Repórteres sem Fronteiras (RSF) e uma centena de executivos de meios de comunicação internacionais apelaram ontemà “libertação imediata” do magnata de Hong Kong Jimmy Lai, detido desde 2020 na antiga colónia britânica. Figura emblemática da luta pela liberdade de imprensa, o também fundador do Apple Daily, jornal crítico do Governo chinês encerrado em 2021, enfrenta uma pena de “prisão perpétua”, indicaram os RSF, que lançou o apelo num comunicado divulgado em Paris. O apelo foi assinado por editores e editoras de 42 países, incluindo o Prémio Nobel da Paz russo Dmitri Muratov e a filipina Maria Ressa.

      Crítico declarado de Pequim, Jimmy Lai deverá ir a julgamento em Setembro sob a acusação de “conluio com forças estrangeiras”, uma violação da, segundo a agência noticiosa France-Presse (AFP), “lei draconiana” de segurança nacional imposta por Pequim após os protestos pró-democracia de 2019, que prevê pena de prisão perpétua. Lai já está a cumprir várias penas de prisão pela participação nos protestos e por alegações de fraude. Segundo os RSF, os pedidos de fiança foram “sempre regularmente rejeitados”. “[Ao persegui-lo], o regime chinês estendeu as suas tentativas de controlo da informação para além das suas fronteiras e fez dele uma preocupação para todo o mundo”, afirmam os signatários do apelo, que incluem o diretor do New York Times, A.G. Sulzberger, e o do Le Monde, Jérôme Fenoglio.

      As acções judiciais “fazem parte de uma repressão mais vasta”, acrescentaram os Repórteres Sem Fronteiras, que manifestaram “profunda preocupação com a rápida deterioração do clima de liberdade de imprensa em Hong Kong”. Os signatários apelam também à “libertação imediata dos 13 jornalistas actualmente detidos”, à “retirada das acusações” contra “os 28 jornalistas visados pela Lei de Segurança Nacional, em particular nos últimos três anos”, e à “acção imediata” para reabrir meios de comunicação social como o Apple Daily e o site Stand News, que foram vítimas de um congelamento de bens e de uma onda de detenções em 2021.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau