Edição do dia

Segunda-feira, 15 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
27.9 ° C
29.9 °
27.9 °
83 %
5.1kmh
40 %
Seg
28 °
Ter
28 °
Qua
28 °
Qui
28 °
Sex
27 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioPolíticaRon Lam critica atitude passiva do Governo na protecção do património ...

      Ron Lam critica atitude passiva do Governo na protecção do património  

      O Governo da RAEM carece de iniciativa e de actividade na protecção do património mundial. Esta é a crítica do deputado Ron Lam dirigida às autoridades em relação ao recente estudo sobre a concepção urbana da zona ao redor da Avenida do Dr. Rodrigo Rodrigues. O legislador considera que a redução sugerida de 30 metros da altura máxima permitida não vai resultar na protecção adequada da vista para o Farol da Guia.

       

      Ron Lam, deputado à Assembleia Legislativa, criticou a passividade por parte do Governo nos trabalhos de protecção e preservação de património mundial no território, nomeadamente o Farol da Guia. No seu ponto de vista, o estudo recentemente divulgado sobre a zona ao redor da Avenida do Dr. Rodrigo Rodrigues foi apenas “de forma passiva” e as sugestões apresentadas no estudo não são abrangentes.

      Para o legislador, a polémica existente sobre a gestão urbana da zona à volta do Farol da Guia deve ser resolvida por iniciativa das autoridades, com a promulgação de legislação relevante sobre salvaguarda e gestão do centro histórico de Macau, em vez de ser acompanhada passivamente só com a solicitação do Comité do Património Mundial da UNESCO.

      Salientando que o Centro Histórico de Macau foi inscrito na Lista do Património Mundial da UNESCO, Ron Lam afirmou que é necessário seguir rigorosamente as exigências e padrões oficiais. No entanto, “o estudo em causa foi procedido em resposta à resolução relativa ao Centro Histórico de Macau, aprovada na 44.ª sessão do Comité do Património Mundial da UNESCO de 2021, o que reflecte que o Executivo ainda não é suficientemente activo na protecção do património mundial”, apontou.

      O estudo do impacto patrimonial e concepção urbana da zona ao redor da Avenida do Dr. Rodrigo Rodrigues, que foi apresentado pelo Instituto Cultural e pela Direcção dos Serviços de Solos e Construção Urbana na passada sexta-feira, propõe que dois dos nove terrenos não aproveitados na área tenham mais restrições no respectivo desenvolvimento, incluindo o lado Leste do Ministério Público e o lote 134, próximo ao Rotunda do Arco do Oriente, recomendando-se que seja ajustada a altura máxima permitida dos actuais 90 metros para 60 metros.

      “A proposta sobre o limite de altura é apenas uma pequena alteração. A chamada redução de 30 metros é melhor do que nada, mas a protecção da visão para o Farol da Guia definitivamente não é abrangente e suficiente. Sem uma perspectiva global de planeamento urbano, é difícil garantir um amplo campo de visão”, lamentou.

      Na mesma linha, o deputado recordou ainda o “desaparecimento” há dez anos do Plano de salvaguarda e gestão do centro histórico de Macau, o que impossibilitou o Governo de assegurar o corredor visual do Farol da Guia na perspectiva do planeamento urbanístico global a nível legal.

      De notar que o Plano de salvaguarda e gestão do centro histórico de Macau concluiu a primeira consulta pública em 2014 sobre o enquadramento, e terminou em 2018 outra consulta pública relativa aos detalhes do plano.

      “Não houve um calendário legislativo específico, quer dizer que o pensamento do Estado de Direito do Governo é muito atrasado, e um regulamento administrativo não foi elaborado na última década”, ressalvou.

      O deputado eleito por sufrágio directo prosseguiu dizendo que o estudo aborda somente a zona da Avenida do Dr. Rodrigo Rodrigues, no entanto, a protecção do lado Oeste e Norte do Farol da Guia não foi considerada.

      “A reflexão do Governo é estreita e passiva sobre a conservação”, comentou Ron Lam, urgindo que seja estudado ainda mais detalhadamente o edifício inacabado na Calçada do Gaio. Recorde-se que a altura máxima permitida de 81 metros do edifício inacabado tem sido contestada pelos grupos de preservação do património mundial, que consideram que a altura prejudica a vista para o Farol da Guia e pedem para que se reduza a altura para 52,5 metros.