Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
27.9 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
4.6kmh
40 %
Dom
28 °
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioEconomiaBanco Nacional Ultramarino “é para ficar, pelo menos, mais 120 anos em...

      Banco Nacional Ultramarino “é para ficar, pelo menos, mais 120 anos em Macau”  

      A afirmação partiu do presidente do Conselho de Administração do BNU, que está de visita a Macau onde assistiu à cerimónia de reabertura da renovada agência sede do banco de matriz portuguesa. José João Guilherme revelou que é esse o desejo da casa-mãe, a Caixa Geral de Depósitos, instituição cujo capital social do BNU pertence na totalidade.

       

      O presidente do Conselho de Administração do Banco Nacional Ultramarino (BNU) desejou, numa breve declaração aos jornalistas, que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) enquanto accionista único do BNU em Macau “continua apostada em estar, pelo menos, mais 120 anos em Macau”. A afirmação de José João Guilherme foi feita à margem da cerimónia de reabertura da renovada agência sede, que sofreu, nos últimos meses, obras de melhoria.

      Também no final da cerimónia, o presidente da Comissão Executiva do BNU admitiu à comunicação social que existem fortes possibilidades de empresas portuguesas investirem na Zona de Cooperação Aprofundada entre Guangdong e Macau em Hengqin, na sequência da recente visita do Chefe do Executivo da RAEM, Ho Iat Seng, a Portugal.

      Carlos Cid Álvares classificou a visita como “muito positiva” e, à semelhança do que disse José João Guilherme, revelou que “a CGD dá grande apoio à continuidade da actividade bancária do BNU em Macau”, ao mesmo tempo que considera que a economia local, em rumo pós-Covid-19, “está a dar sinais de recuperação”, apesar de admitir que essa recuperação não se consegue ver de um dia para o outro. “O aumento de turistas nas ruas de Macau acaba por reflectir-se na confiança das pessoas.”

      A renovação da agência esteve a cargo de uma equipa de projecto liderada pela OBS-Arquitectos em colaboração com a Impromptu Projects, a quem se juntou a Tecproeng Macau como consultores de sistemas eletromecânicos e eléctricos, sistemas de segurança contra incêndios e HVAC sistemas, Resonance Engineering Consultancy Ltd para sistemas de comunicação e equipamentos audiovisuais, CHUBB para sistemas de segurança, CESL Asia na gestão de projectos e Ng Kam Kee Constructions para a execução.

      Durante a cerimónia de abertura, o presidente da Comissão Executiva do BNU, Carlos Cid Álvares, explicou que o conceito por detrás da proposta de design de interiores “é inspirado no emblemático isotipo do BNU, a icónica caravela, que representa o espírito aventureiro português e uma abordagem multicultural”. “Da mesma forma que, em 1997, a ampliação da sede se materializou com uma pegada moderna utilizando o revestimento de vidro no topo do prédio colonial existente, esta renovação do interior da agência que aqui vemos hoje mantém a herança simbólica, transformando-a na base estrutural da própria caravela. Os tradicionais cascos de madeira, são modernizados com perfis brancos que unem todo o design do lobby, e que permitem ter um espaço dinâmico e que transmite a sensação de mobilidade e evolução nos tempos modernos. Como a era digital é composta por fibra óptica e rede sem fio para conectar o mundo, os materiais foram escolhidos propositadamente para proporcionar aos nossos visitantes uma sensação de leveza, utilizando a identidade da marca BNU, o branco e o azul ultramarino”, disse o responsável.

      Com 120 anos de história ao serviço de Macau e da comunidade, o BNU “pauta-se por uma estratégia de proximidade e de foco no cliente, na qual a modernização e inovação dos serviços desempenham um papel crucial”. “Com este propósito, o BNU renovou a sua agência sede e tem o prazer de trazer aos cidadãos de Macau um novo espaço, com uma disposição moderna e funcional, que, aliado ao profissionalismo e conhecimento da equipa do BNU, irá certamente proporcionar a melhor experiência bancária”, disse Cid Álvares durante o seu discurso na cerimónia de reabertura, sublinhando que “a fachada histórica integra agora com um interior moderno, resultando numa verdadeira simbiose entre o passado e o futuro, e que procura acompanhar as tendências de design da era digital”.