Edição do dia

Terça-feira, 7 de Fevereiro, 2023
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
17.9 ° C
19.9 °
17.9 °
94 %
1kmh
40 %
Ter
22 °
Qua
19 °
Qui
20 °
Sex
20 °
Sáb
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Morreu Isabel Meneses, antiga jornalista do PONTO FINAL e da TDM

      Morreu Isabel Meneses, antiga jornalista do PONTO FINAL e da TDM

      Morreu na passada sexta-feira, em Macau, a antiga jornalista do PONTO FINAL e da TDM Isabel Meneses, aos 54 anos. Isabel Meneses trabalhou também no Leal Senado e no Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais. Estava actualmente em Macau a preparar um trabalho sobre a pandemia.

      Isabel Meneses, antiga jornalista do PONTO FINAL e da Teledifusão de Macau (TDM), morreu na passada sexta-feira, 20 de Janeiro, aos 54 anos. A jornalista estava no território há três meses a preparar um trabalho sobre a pandemia a ser publicado num órgão de comunicação social de Portugal.

      Isabel Meneses começou a carreira na RTP, em Portugal, e chegou a Macau no início da década de 1990, integrando a redacção da TDM. Em 1996 passou para o PONTO FINAL, onde ficou durante dois anos. Em 1998 começou a trabalhar no gabinete de relações públicas do Leal Senado e do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM), tendo regressado depois a Portugal.

      Frederico Rato, que era o proprietário do PONTO FINAL na altura em que Isabel Meneses passou pela redacção do jornal, mostrou-se surpreendido com a notícia e recordou-a como “uma pessoa afável, simpática, culta, com quem era muito agradável conviver e conversar”. Na opinião do advogado, a comunicação social de Macau “ficou mais rica com a sua presença e participação”.

      “Como profissional da comunicação, foi uma activa jornalista na intervenção do PONTO FINAL na vivência político-social de Macau, que conhecia bem, por dentro e por fora”, recordou Frederico Rato, acrescentando: “Foi uma profissional de mão cheia, um poço de informação, que recolhia discretamente e geria com bom senso e sentido profissional e ético. Discreta por natureza ou por auto-disciplina, o que lhe dava independência e determinação na informação, pautava a profissão pelo rigor dos factos e sua avaliação, quando achava necessário”.

      Em conclusão, Frederico Rato afirmou que Isabel Meneses “deixa um exemplo profissional de respeito pela opinião púbica, na vertente informativa e opinativa e, sobretudo, deixa muitas saudades e boas memórias”.

      Jorge Silva era chefe de redacção da TDM quando Isabel Meneses passou pela estação. O jornalista, que está na TDM desde 1986, lembrou que a experiência de Isabel Meneses na RTP foi valiosa quando ela chegou a Macau. Na TDM, “integrou-se bem” e começou a apresentar as Últimas Notícias. Jorge Silva destacou a entrevista que Isabel Meneses fez a Umberto Eco, quando o autor veio a Macau, em Junho de 1993, e a cobertura do atentado de Oklahoma, em 1995. “Era uma excelente jornalista e profissional. É com muita tristeza que a vejo partir”, afirmou Jorge Silva.

      Ana Isabel Dias também destacou a entrevista a Umberto Eco e recordou que Isabel Meneses fez um trabalho extenso sobre a comunidade macaense a propósito dos primeiros encontros das comunidades macaenses. A jornalista da TDM, que foi colega de Isabel Meneses, recorda-a como uma “boa profissional”. “Boa colega, divertida, tranquila, calma”, descreveu Ana Isabel Dias.