Edição do dia

Terça-feira, 7 de Fevereiro, 2023
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
17.9 ° C
19.9 °
17.9 °
94 %
1kmh
40 %
Ter
22 °
Qua
19 °
Qui
20 °
Sex
20 °
Sáb
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Economia Rendas vão começar a aumentar

      Rendas vão começar a aumentar

      As rendas das habitações vão aumentar nos próximos meses. Por exemplo, a renda de uma fracção com um quarto cuja renda seja de 9 mil ou 10 mil dólares de Hong Kong, pode subir até aos 15 mil dólares de Hong Kong até ao Verão. A previsão é de Suzanne Watkinson e Terence Lo, responsáveis da agência Ambiente Properties, que, ao PONTO FINAL, avisaram que "as negociações com os senhorios vão tornar-se mais difíceis".

      Nos próximos meses, o preço das rendas das habitações vai disparar, com aumentos até 50%. Ao PONTO FINAL, Suzanne Watkinson, directora-geral da Ambiente Properties, e Terence Lo, gestor de desenvolvimento comercial da mesma agência imobiliária, traçaram um futuro difícil para quem arrenda casa em Macau.

      Os responsáveis da agência indicaram que as rendas vão subir gradualmente até ao terceiro trimestre deste ano, uma vez que, se as taxas de juro se mantiverem elevadas, os residentes poderão não ter possibilidade de adquirir habitação própria, continuando a arrendar casa. Por outro lado, à medida que a economia da região recupera, vão regressar mais expatriados e não-residentes, que também procurarão casa para arrendar. Estes factores vão fazer aumentar os preços.

      “O sector imobiliário tem tudo a ver com a oferta e a procura”, apontou Suzanne Watkinson, acrescentando: “Durante os últimos três anos de restrições relacionadas com a Covid e com uma economia fraca, houve uma saída de muitos expatriados, trabalhadores não-residentes e executivos, que normalmente ocupam fracções arrendadas; com a sua partida, muitos apartamentos ficaram vazios”. No entanto, com a recuperação económica, vão chegar a Macau mais trabalhadores do exterior, na sua maioria solteiros ou casais que ainda não constituíram família, o que fará com que as unidades mais pequenas sejam ocupadas, apontou a responsável da Ambiente.

      Ressalvando que a agência “não tem uma bola de cristal”, Suzanne Watkinson prevê que os maiores aumentos de renda se verifiquem nos estúdios e nas fracções com um quarto.

      Assim, segundo as previsões dos especialistas da Ambiente, os estúdios que actualmente têm uma renda entre 6 mil e 8 mil dólares de Hong Kong poderão passar a ter rendas entre 9 mil e 11 mil dólares por volta do segundo ou do terceiro trimestre deste ano. As fracções com um quarto cuja renda actualmente se situe entre os 9 mil e os 10 mil dólares de Hong Kong poderão vir a ter, até ao Verão, rendas entre os 11 mil e 15 mil dólares, ou seja, uma subida de 50%.

      Uma casa com dois quartos com renda entre os 11 mil e os 13 mil dólares de Hong Kong poderá ver a renda aumentar também até aos 15 mil dólares de Hong Kong.

      Uma fracção com três quartos na Taipa ou na península de Macau que actualmente custe entre 17 mil e 27 mil patacas deverá manter o preço máximo, sendo que o limite mínimo poderá aumentar até aos 19 mil dólares de Hong Kong. Se a fracção de três quartos se localizar em Coloane, as rendas vão rondar, no Verão, entre os 14 mil e os 16 mil dólares de Hong Kong.

      Quanto às fracções com quatro quartos na Taipa ou na península, os preços máximos deverão aumentar dos 30 mil para os 34 mil dólares de Hong Kong. Em Coloane, o preço máximo destas habitações deverá ficar-se pelas 22 mil patacas.

      E estarão os residentes preparados para um aumento desta ordem? Suzanne Watkinson acredita que sim. “A percepção da segurança do emprego deverá melhorar com o aumento do número de visitantes, com os resorts integrados de volta às operações normais e, consequentemente, com uma economia mais forte”, disse.

      À medida que os proprietários aumentam as rendas, os arrendatários têm duas opções: ou se resignam e suportam o preço pedido pelos senhorios, ou procuram outras opções mais baratas, que normalmente se localizam fora dos grandes centros. “Assim, esperamos ver mais movimento para locais mais afastados do centro da cidade e para propriedades mais antigas, – por exemplo o Helene Garden -, e para áreas residenciais de alta densidade onde existe mais oferta – The Residencia, Vila de Mer, La Marina”, apontou.

      Para já, constatou Suzanne Watkinson, o aumento das rendas ainda não se faz notar, mas, daqui para a frente, “as negociações com os senhorios vão tornar-se mais difíceis”. “Prevemos um aumento da actividade entre os profissionais do sector imobiliário assim que as férias [do Ano Novo Chinês] terminarem. Os preços dos arrendamentos residenciais ainda não começaram a subir, mas irão subir no Ano Novo Chinês, à medida que mais trabalhadores da China e do estrangeiro começarem a chegar”, concluiu.

      Em relação ao arrendamento de escritórios, a previsão é que os preços aumentem já nos próximos dois a três meses. Quanto ao arrendamento de espaços comerciais, os preços já estão a disparar, em alguns casos para o dobro.

       

      Escalada de preços já começou e deve agudizar-se depois do Ano Novo Chinês

      Gustavo Rosário, agente imobiliário na agência Macau Taipa Apartments, também acha que os preços dos arrendamentos vão começar a subir. Tendo em conta as estatísticas dos negócios recentes feitos pela sua agência, o agente disse ao PONTO FINAL que, entre Dezembro e Janeiro já se verificou um aumento de 10 a 20% nos preços das rendas. “As minhas previsões são de que, após o Ano Novo Chinês, esse número aumentará para 20 a 30%”, afirmou. Gustavo Rosário dá como exemplo um estúdio no complexo One Oasis, que em Novembro de 2022 custava entre 5.800 e 6.000 dólares de Hong Kong, e que agora tem uma renda mensal de entre 6.500 a 7.500 dólares. Segundo o agente, um apartamento com dois quartos também no One Oasis tinha, há dois meses, uma renda de cerca de 8.500 a 9.000 dólares de Hong Kong e agora já escalou para entre 9.500 e 11.000 dólares. No edifício L’Arc, no NAPE, a renda de um apartamento com três quartos não ultrapassava os 13.500 dólares de Hong Kong e agora já subiu para os 15.000 dólares. No One Central, uma fracção com quatro quartos custava entre 18.000 e 20.000 dólares de Hong Kong e agora o preço já subiu para 25.000. O agente considera que os residentes e não-residentes têm capacidade para suportar este aumento nas rendas. “Na minha opinião, embora os preços das rendas estejam a aumentar, comparando Macau com outras cidades/países, como Hong Kong, os preços são relativamente baixos”, concluiu.