Edição do dia

Quarta-feira, 19 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
30.9 ° C
32.9 °
30.9 °
84 %
5.1kmh
40 %
Qua
31 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °
Dom
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaEstudo alerta para possível aumento de mortes durante Ano Novo Lunar

      Estudo alerta para possível aumento de mortes durante Ano Novo Lunar

      O número de mortes diárias por covid-19 na China pode ascender a 36.000, durante as férias do Ano Novo Lunar, segundo um estudo difundido ontem pela empresa britânica de análise da área da saúde Airfinity. A empresa afirmou que as suas análises indicam que o vírus se “espalhou rapidamente para as áreas rurais”, em parte devido às deslocações das pessoas, por ocasião do feriado do Ano Novo Lunar.

      A Airfinity ajustou as suas previsões e antecipou o pico de infeções entre o período entre 13 e 27 de Janeiro, em que o número de casos de covid-19 ascenderá a 4,8 milhões por dia.

      Segundo a empresa especializada, o número de mortes diárias vai atingir o máximo de 36 mil, no dia 26 de Janeiro, em pleno período festivo, que tem início no dia 20 e se prolonga por uma semana, embora a temporada de viagens já tenha oficialmente começado no dia 7 de Janeiro.

      A Airfinity previu inicialmente duas ondas de infecções, nos dias após o período de férias e em Março, mas agora antecipa uma única onda de maior intensidade durante a semana de férias. Isto implica “maior pressão hospitalar” e um “aumento potencial na taxa de mortalidade”, segundo a empresa.

      O ajuste nas previsões deveu-se ao facto de algumas províncias como Henan (centro), Gansu (oeste), Qinghai (oeste) ou Yunnan (sul) “já terem ultrapassado o pico de infeções”.

      Em algumas províncias, o aumento da procura por cuidados intensivos “vai superar até seis vezes a capacidade hospitalar”, disse o director da Airfinity, Matt Linley.

      Da mesma forma, a empresa corrigiu os dados de óbitos acumulados desde o início de dezembro passado, quando a China começou a desmantelar a política de “zero covid”: o cálculo anterior apontava para 437 mil mortos, enquanto o mais recente aponta para 608 mil.

      O Conselho de Estado (Executivo) exortou, em meados de Dezembro, as autoridades locais a dar prioridade aos serviços de saúde nas zonas rurais “para proteger a população”, apontando a “relativa escassez de recursos médicos” face ao elevado número de deslocações previstas.

      A Comissão Nacional de Saúde da China anunciou, no último sábado, um total de 59.938 mortes, entre 8 de Dezembro e 12 de Janeiro deste ano.

      O director-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou, na semana passada, que a China não estava a fornecer números completos de mortes por covid-19 no actual surto, o que impede perceber a verdadeira extensão da doença a nível global. A China defende que tem partilhado os seus dados “de forma aberta, atempada e transparente” desde o início da pandemia.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau