Edição do dia

Domingo, 21 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva moderada
25.9 ° C
26.9 °
25.9 °
94 %
5.7kmh
40 %
Dom
25 °
Seg
25 °
Ter
25 °
Qua
25 °
Qui
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeServiços de Saúde recuam e São Januário deixa de separar mães de...

      Serviços de Saúde recuam e São Januário deixa de separar mães de recém-nascidos

      Os Serviços de Saúde anunciaram ontem o fim da separação dos recém-nascidos das mães. Num comunicado divulgado ao fim da tarde de ontem, as autoridades explicaram que, “tendo em conta o abrandamento da epidemia em Macau e a reduzida pressão sobre a capacidade de camas no Centro Hospitalar Conde de São Januário [CHCSJ]”, é retomada a amamentação no mesmo quarto, tal como acontecia anteriormente. A medida entrou ontem em vigor.

      No comunicado, as autoridades de saúde dizem que o objectivo de criar um ambiente favorável à amamentação “permanece inalterado”, acrescentando que agradecem a “compreensão, tolerância e cooperação das puérperas e das suas famílias pelos inconvenientes causados pela gestão temporária da enfermaria do Centro Hospitalar Conde de São Januário para lidar eficazmente com o surto”.

      Recorde-se que, apesar do cancelamento das medidas de prevenção e controlo da Covid-19 e de estar a viver o maior surto desde o início da pandemia, os bebés recém-nascidos que nasciam no hospital público eram levados para outro quarto, sem que as mães os pudessem ver até terem alta.

      Num comunicado divulgado na noite de quarta-feira, os Serviços de Saúde indicavam que o CHCSJ “ajustará dinamicamente o uso de camas hospitalares de acordo com a situação real e esforçar-se-á para reiniciar a organização de amamentação” num quarto conjunto com mãe e bebé o “mais rápido possível”.

      Recorde-se que, esta quarta-feira, um grupo de residentes entregou à enfermeira, deputada e vice-presidente da Associação Geral das Mulheres de Macau, Wong Kit Cheng, uma carta com diversas assinaturas onde pedem a intervenção da parlamentar junto do Governo para que fosse mudada a política que “rouba da mãe o direito de estar com o bebé, tira o direito de amamentar e nega aos bebés o contacto mais importante com as mães”. Raquel Bragança, primeira signatária da missiva, fala em “situação lamentável”.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau