Edição do dia

Terça-feira, 25 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nublado
33.2 ° C
33.2 °
33.2 °
78 %
5.2kmh
99 %
Ter
33 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaChina foi dos países onde repressão mais se aprofundou em 2022, diz...

      China foi dos países onde repressão mais se aprofundou em 2022, diz relatório

      A China foi um dos países onde a repressão dos direitos humanos mais se aprofundou em 2022, acusou a Human Rights Watch (HRW) no seu relatório anual, ontem divulgado, apontando os confinamentos impostos para combater a covid-19.

      “O Governo chinês reforçou as restrições [no âmbito da política de combate à pandemia de] covid-19, impondo repetidos bloqueios a centenas de milhões de pessoas”, tendo, em alguns casos, usados mesmo “arame farpado, barras de metal e grandes barreiras para impedir que as pessoas saíssem de casa”.

      O relatório da HRW refere que, na província de Sichuan, “os moradores não conseguiram deixar os seus edifícios mesmo durante um terramoto” e muitas pessoas relataram que, “durante os confinamentos – que duraram dias ou semanas – tiveram dificuldades no acesso a alimentos e cuidados médicos, o que levou, em alguns casos, à morte”.

      Outros exemplos dos abusos de direitos humanos registados no ano passado na China passam por “violações de privacidade, censura, interrupções dos meios de subsistência e brutalidade da polícia e responsáveis de saúde [que] pontapearam ou empurraram pessoas que resistiram às restrições”.

      No Tibete e em Xinjiang, adianta o documento, “residentes relataram controlos ainda mais draconianos à [política relativa à] covid-19 impostos pelas autoridades locais que, já antes, limitavam severamente os direitos”.

      No ano em que Xi Jinping garantiu uma vitória sem precedentes para um terceiro mandato como secretário-geral do Partido Comunista Chinês – tornando-se o líder mais poderoso do país desde Mao Tse Tung -, a China sofreu a onda de calor mais severa jamais registada no país, o que provocou escassez de energia e levou as autoridades a voltarem a usar o carvão, aponta a organização internacional, alertando para a urgência de adoção de políticas energéticas limpas.

      Também em Hong Kong os direitos humanos continuaram a ser atacados, “uma trajectória descendente que deve continuar com a nomeação de um ex-polícia abusivo, John Lee, como líder do Executivo da cidade”. A situação na China tornou-se tão séria que provocou um crescimento da atenção internacional às violações dos direitos humanos do Governo chinês.

      Em protesto, “oito governos acordaram fazer um boicote diplomático aos Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim” e, em Junho, no âmbito da lei de prevenção de trabalho forçado, os Estados Unidos proibiram a importação de mercadorias vindas de Xinjiang por serem provavelmente produzidas por trabalho forçado imposto à minoria uigure. Em Agosto, a ex-alta-comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, divulgou um relatório sobre Xinjiang no qual se conclui que os abusos na região “podem constituir crimes contra a humanidade”.

      Lusa

      ViaLusa
      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau