Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
28.1 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioCulturaFormação de talentos é a chave para o desenvolvimento das indústrias culturais

      Formação de talentos é a chave para o desenvolvimento das indústrias culturais

      A ideia é defendida pelo Instituto Cultural como forma de não deixar moribundo o sector que, com as restrições pandémicas devidas à Covid-19, sofreu duros golpes nos últimos anos. O desenvolvimento dos quadros profissionais da indústria cinematográfica e televisiva, bem como da política de apoio à sua promoção, estão, igualmente, na esfera de preocupações para os próximos tempos.

      A formação de talentos é a chave para o desenvolvimento das indústrias culturais e o Instituto Cultural (IC) tem-se dedicado, desde sempre, à formação de quadros na indústria cinematográfica e televisiva, atendendo às necessidades de desenvolvimento do sector. É com esta afirmação que a presidente substituta do IC, Cheong Lai San, responde à deputada da Assembleia Legislativa (AL) Song Pek Kei, que pediu, em interpelação escrita ao Governo, o desenvolvimento dos quadros profissionais da indústria cinematográfica e televisiva, bem como da política de apoio à sua promoção.

      O IC acrescentou ainda que tem vindo a lançar políticas e medidas, bem como programas de apoio em várias vertentes, a fim de promover o desenvolvimento geral da indústria cinematográfica e televisiva de Macau.

      Nesse sentido, enumerou o instituto, lançou, o projecto “Macau – O Poder da Imagem” e o “Plano de Apoio à Produção Cinematográfica de Longas Metragens” em 2007 e 2013, respectivamente. “Até ao momento presente, o “Macau – O Poder da Imagem” já registou cerca de 600 propostas, parte das quais já se concretizou em filmes, que foram seleccionados e premiados em festivais de cinema importantes. Nas passadas quatro edições do “Plano de Apoio à Produção Cinematográfica de Longas Metragens”, registou-se um total de 58 pedidos; no fim, houve 15 realizadores locais que receberam apoio financeiro para a produção dos respectivos filmes e parte destes foram premiados e receberam várias nomeações. Os dois projectos continuarão a ser lançados em 2023, de modo a continuar a promover a criação local e a fomentar talentos criativos na indústria cinematográfica e televisiva”, revelou Cheong Lai San.

      De igual modo, acrescentou a responsável na mesma missiva, “a primeira edição do ‘Argumentos em Foco – Programa Avançado de Argumentos Cinematográficos’ foi realizada em 2021, sob a colaboração das três regiões Guangdong, Hong Kong e Macau, tendo sido convidados profissionais do sector para oferecerem orientações e sugestões relativas aos projectos cinematográficos das três cidades”. A segunda edição do programa já se encontra em marcha e deverá ser anunciada nos próximos meses.

      Em relação à medidas de apoio à divulgação e distribuição cinematográfica e televisiva, o IC “irá colaborar com o Fundo de Desenvolvimento da Cultura no lançamento de dois planos de subsídio em 2023, a ‘Divulgação e distribuição de obras cinematográficas e televisivas com elementos de Macau’ e a ‘Filmagem cinematográfica e televisiva em Macau’, visando atrair equipas estrangeiras para a filmagem em Macau, no intuito de proporcionar às empresas cinematográficas locais a oportunidade de colaboração com as respectivas equipas estrangeiras na produção de obras, e incentivar a entrada no mercado de mais obras cinematográficas e televisivas com elementos de Macau”, recordou a presidente substituta do IC.

      Cheong Lai San admitiu que o Fundo de Desenvolvimento da Cultura “irá divulgar atempadamente junto da sociedade os detalhes dos respectivos planos”. “O Fundo de Desenvolvimento da Cultura recebe candidaturas ao apoio financeiro para projectos das indústrias culturais, incluindo a área da produção cinematográfica, oferecendo oportunidades de crescimento profissional ao sector de produção cinematográfica local”, enfatizou.

      Por fim, e de forma a incentivar a filmagem de projectos cinematográficos em Macau, “o IC lançou, em conjunto com dez serviços públicos do Governo, o serviço de coordenação para requerimento de licenças de filmagem, por forma a simplificar o processo de requerimento que envolve vários departamentos públicos, e criou a plataforma para requerimento de licenças de filmagem, com vista a melhorar os respectivos serviços complementares”.

      Com o lançamento da plataforma, anunciou Cheong Lai San, “a média do número de dias para a avaliação e aprovação dos requerimentos de licenças de filmagem diminuiu de 4,3 dias úteis para cerca de 3,6 dias úteis”.

      A responsável do IC deixou ainda a promessa de que o Governo da RAEM “irá continuar a promover o desenvolvimento da indústria cinematográfica e televisiva de Macau”, destacando também o papel das instituições de ensino superior no processo. “Temos apoiado e incentivado na formação de quadros necessários para o desenvolvimento da sociedade e da indústria em geral, muitas das quais aproveitam as vantagens de disciplinas com características específicas”, referiu, lembrando que a Universidade Politécnica de Macau (UPM) “está a preparar a criação do curso de Arte de Média e Entretenimento”.