Edição do dia

Sábado, 22 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
30.9 ° C
31.9 °
30.9 °
79 %
4.1kmh
40 %
Sáb
31 °
Dom
30 °
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioCultura“Através deste prémio literário tive a oportunidade de pesquisar, entender e escrever...

      “Através deste prémio literário tive a oportunidade de pesquisar, entender e escrever sobre Macau”

      Em discurso directo, a vencedora da segunda edição do Prémio A-Má, explica ao PONTO FINAL que é apaixonada pela cultura chinesa. Admite que foi difícil escrever sobre Macau, um local que nunca conheceu, mas sente “imensa gratidão” por ter sido agraciada com o prémio promovido pela Fundação Casa de Macau, em Portugal.

      A brasileira Edvirges Salgado foi a grande vencedora da segunda edição do Prémio A-Má, promovido pela Fundação Casa de Macau com o trabalho “Enigma da Primeira Lua”. Fomos à procura de saber quem é a autora residente em Santo António do Grama, situada no Estado de Minas Gerais, no Brasil, e do significado deste prémio.

      Ao PONTO FINAL, Edvirges Salgado mostrou-se surpresa com o primeiro lugar e também com alguma exposição mediática que adveio dessa situação, no entanto mostra-se grata por tudo. “Realmente não consigo achar as palavras certas para dizer o que sinto. É um misto de diversos sentimentos como gratidão, felicidade, alegria, surpresa, realização, vitória, superação, paz. É claro que queria ser agraciada com este prémio, mas já estaria feliz apenas por ter tido a oportunidade de participar, e mais ainda de receber um diploma de participação”, começou por dizer ao nosso jornal.

      E agora, o que podemos esperar do futuro? A autora brasileira está tranquila e fala em “coragem” para participar. “A gente pesquisa, escreve, pesquisa novamente, corrige, pensa um pouquinho mais no diálogo, edita o texto. É um ciclo até acreditarmos que o texto está bom. Então também queremos ter algo de recordação por aquele momento dedicado. Para mim, somente por ter coragem de participar já foi um grande passo. Senti-me realmente vitoriosa por ter derrotado o meu medo de rejeição e enviado meu texto”, confessou.

      “Enigma da Primeira Lua” é o título do trabalho vencedor. O conto de Edvirges Salgado aborda o famoso Festival das Lanternas chinês, algo que só viu em vídeo e fotografias. “Ao assistir a séries chinesas, principalmente as de época, vi que isso é muito comum na Ásia. Achava aquilo fantástico e queria trazer isso para o meu texto. Queria que outras pessoas que o lessem, sentissem a energia deste festival. Então, o enigma, o mistério do qual falamos se revela durante este lindo festival. Narro um pouco sobre as diferenças culturais entre Oriente e Ocidente através dos olhos da minha protagonista, que é de origem luso-brasileira”, explicou ao nosso jornal.

      Depois, já no enredo profundo do conto, a autora acaba por desenvolver “um romance para a protagonista, que afinal irá descobrir qual o mistério que a permeia”. “Trata-se de um conto simples, mas que tem como objectivo principal falar sobre a incrível cidade chinesa que tem como um de seus idiomas oficiais o português; cidade esta que me conquistou de imediato por sua história e peculiaridades”, afirmou, referindo-se a Macau, e acrescentando: “Através deste prémio literário tive a oportunidade de pesquisar, entender e escrever sobre Macau, mesmo nunca tendo estado lá. Sou apaixonada pela cultura chinesa então fiquei muito feliz por poder falar e entender um pouco mais sobre ela. Estou super ansiosa para conhecer tais locais [Macau e Portugal] e fico feliz de saber que se for para o Oriente não ficarei tão perdida por não conhecer os idiomas locais, pois haverá um idioma conhecido”.

      Licenciada em Ciências Contábeis e Matemática, actualmente trabalha numa escola pública da rede estadual do município onde reside. Edvirges Salgado confessa, no entanto, que sempre teve o bichinho da escrita desde muito nova. “A minha outra opção era Comunicação Social ou Jornalismo. Desde pequena, gosto muito de ler e criar mentalmente os meus próprios finais de diálogos e histórias. Mas a verdade é que pensando bem, além de ser utópica também sou pé no chão. Sabia que mesmo formando-me, encontraria muitas dificuldades de serviço nesta área. Logo, acabei escolhendo a minha primeira opção. Embora possua rascunhos de histórias em alguns géneros literários, a escrita é apenas um hobby e uma forma de terapia. Gosto de brincar com as palavras e desejo continuar a fazer isso, porque me faz bem. Sobre o futuro, tudo é possível”, vaticinou, referindo que, agora, vai estar mais atenta ao seu lado literário.

      A Fundação Casa de Macau criou o Prémio A-Má que visa “incentivar e premiar o talento e a criatividade no âmbito da divulgação e da valorização da identidade macaense, em particular na sua expressão literária”. Cada candidato apenas pôde submeter a concurso um trabalho inédito. O regulamento do concurso, criado em 2021, considera admitidos a concurso contos, crónicas, poemas e textos dramáticos, cuja temática seja sobre Macau ou sobre a cultura macaense, “sob qualquer perspectiva ou interpretação do autor”.