Edição do dia

Sábado, 22 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
30.9 ° C
31.9 °
30.9 °
79 %
4.1kmh
40 %
Sáb
31 °
Dom
30 °
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioDesportoPilotos estrangeiros regressam a Macau para a 69.ª edição do Grande Prémio

      Pilotos estrangeiros regressam a Macau para a 69.ª edição do Grande Prémio

      Começa hoje mais um Grande Prémio de Macau. Um total de 168 pilotos vão correr nas ruas do território. O Circuito da Guia, com 6,12 quilómetros, é considerado um dos mais perigosos do mundo. Nomes consagrados como os dos campões Robert Huff ou Edoardo Mortara vão marcar presença. André Pires, Sheridan Morais ou Rodolfo Ávila são alguns dos portugueses que se farão à estrada.

       

      O Grande Prémio de Macau está de regresso para mais uma edição, entre hoje e domingo, e desta vez com mais do que um piloto fora do âmbito da Grande China.

      As listas de entrada para as corridas são reveladoras que, de um total de 168 pilotos, chegaram a Macau, para cumprir quarentena obrigatória, 20 pilotos oriundos de diversas partes do mundo. A maioria dos pilotos estrangeiros é oriunda da Europa, com os restantes a virem da China continental e de Hong Kong, além dos corredores locais.

      O britânico Robert Huff volta para competir na Taça de Carros de Turismo de Macau, onde também compete o piloto local Rodolfo Ávila, ambos na mesma equipa, a MG XPower. Huff foi, até ao momento, o único piloto estrangeiro a vir a Macau – em 2020 – durante estes quase três anos de pandemia de Covid-19, tendo-se sujeitado, na altura, a uma quarentena menos simpática do que a que estava em vigor quando chegou este ano, de sete dias, reduzidos entretanto para cinco.

      Mas o maior contingente de estrangeiros surge com o intuito de participar na 54.ª edição do Grande Prémio de Motos. Para além dos portugueses André Pires e Sheridan Morais, este último nascido na África do Sul, a corrida terá ainda pilotos oriundos da Suíça, Grã-Bretanha, França, Espanha, Alemanha, Bélgica, Holanda, entre outros territórios. Um total de quinze estrangeiros, a grande maioria em estreia absoluta, vão correr em duas rodas no Circuito da Guia.

      Por fim, o regresso de um dos pilotos multi-campeões do Circuito da Guia. O suíço Edoardo Mortara e os seus compatriotas Raffaele Marciello e Alexandre Imperatori também estarão no território para competir na Taça GT Macau. Na mesma corrida evoluirá o alemão Maro Engel.

      O evento, de quatro dias, dois dos quais de treinos livres e qualificações, vai integrar sete corridas: o Grande Prémio de Macau de Fórmula 4 – Sands China, a Taça GT Macau – Galaxy Entertainment, a Corrida da Guia Macau – TCR Asia Challenge – Wynn, o 54.º Grande Prémio de Motos de Macau, a Taça de Carros de Turismo de Macau – China Touring Car Championship – MGM, a Taça GT Grande Baía – Melco e o Macau Roadsport Challenge – SJM.

      Como é habitual, as provas serão transmitidas em ecrãs gigantes espalhados pela cidade, num evento com um orçamento total de 180 milhões de patacas ligeiramente superior ao do ano passado.

      Disputado no icónico traçado citadino com 6,12 quilómetros, o Grande Prémio de Macau é o maior evento desportivo do território e a prova é considerada uma das mais perigosas do mundo.

      Nomes históricos do automobilismo e motociclismo mundial como Ayrton Senna, Michael Schumacher, David Coulthard, Ralf Schumacher, Takuma Sato, Robert Huff, Yvan Muller, Michael Rutter ou Ron Haslam foram vencedores em Macau. Os portugueses André Couto, António Félix da Costa – por duas vezes – ou Tiago Monteiro também levantaram o caneco em Macau.

      *com Lusa