Edição do dia

Quarta-feira, 7 de Dezembro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu limpo
17.9 ° C
21.6 °
17.9 °
72 %
7.2kmh
0 %
Qua
19 °
Qui
22 °
Sex
22 °
Sáb
22 °
Dom
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Internacional Maioria do G20 condena guerra na declaração da cimeira de Bali

      Maioria do G20 condena guerra na declaração da cimeira de Bali

       

      A maioria dos membros do G20 “condenou veementemente a guerra na Ucrânia” e salientou as devastadoras consequências humanas e económicas globais do conflito, segundo a declaração conjunta divulgada ontem no final da cimeira de Bali. Na cimeira na ilha indonésia, houve “outras posições” sobre a situação na Ucrânia, admitiram as 20 maiores economias do mundo na declaração, de acordo com a agência espanhola EFE. Reconheceram também que o G20 não é o fórum mais apropriado para resolver questões de segurança e afirmaram que o tempo atual “não deve ser uma era de guerra”.

      O G20 considerou igualmente que a “utilização ou ameaça de utilização de armas nucleares é inaceitável”, segundo a agência francesa AFP. “A resolução pacífica dos conflitos e os esforços para enfrentar as crises, juntamente com a diplomacia e o diálogo, são vitais”, lê-se na declaração.

      No comunicado conjunto, o G20 disse ser necessário “defender o direito internacional” e “salvaguardar a paz e a estabilidade”, incluindo os princípios humanitários e a proteção de civis e infraestruturas em conflitos armados.

      A Rússia, que é um dos membros do G20, juntamente com Estados Unidos, China e União Europeia, tem sido acusada pela Ucrânia de atacar civis e infraestruturas vitais de energia. O G20 referiu-se igualmente ao “imenso sofrimento humano” e aos problemas globais causados pela guerra em termos de abastecimento energético, segurança alimentar e riscos de instabilidade financeira. O texto, segundo a EFE, foi aprovado após árduas negociações, principalmente devido à relutância da Rússia. Na cimeira da Ásia Oriental, realizada no Camboja, no domingo, a Rússia impediu a aprovação de uma declaração final por discordar dos termos em que era referida a guerra na Ucrânia.

      Desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, em 24 de Fevereiro deste ano, nenhuma reunião ministerial do G20 conseguiu aprovar um documento de consenso devido a diferenças sobre a inclusão de referências ao conflito e em que termos. A declaração aprovada ontem pelo G20 utiliza linguagem semelhante à da resolução da Assembleia Geral da ONU contra a invasão aprovada em Março. Nesse texto, a ONU deplorava “nos termos mais fortes a agressão da Rússia contra a Ucrânia” e apelava para “uma retirada incondicional” das tropas russas do território do país vizinho.

      A Rússia refere-se oficialmente à sua invasão da Ucrânia como uma “operação militar especial”, o que tem dificultado a utilização do termo “guerra” em declarações multilaterais acordadas em qualquer fórum internacional. O líder russo, Vladimir Putin, não participou na cimeira alegando problemas de agenda e a necessidade de permanecer na Rússia, tendo sido representado no primeiro dia de trabalhos pelo seu ministro dos Negócios Estrangeiros, Serguei Lavrov.

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau