Edição do dia

Quarta-feira, 19 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
30.9 ° C
32.9 °
30.9 °
84 %
5.1kmh
40 %
Qua
31 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °
Dom
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaDetido cientista chinês acusado de roubar segredos a empresa de energia do...

      Detido cientista chinês acusado de roubar segredos a empresa de energia do Canadá

      Um cientista chinês, funcionário da empresa de electricidade Hydro-Quebec, a mais importante do Canadá e que fornece energia para a costa atlântica dos Estados Unidos, foi detido por suspeita de espionagem para a China, divulgou segunda-feira a polícia canadiana. A Hydro-Quebec e a Polícia Montada do Canadá anunciaram ontem a detenção de Yuesheng Wang, de 35 anos, acusado de fraude para obter segredos comerciais e outros crimes contra a segurança nacional, alegadamente cometidos entre Fevereiro de 2018 e Outubro de 2022. A empresa canadiana, uma das maiores geradoras hidreléctricas do mundo, salientou em comunicado que Wang era um cientista cujo trabalho se concentrava em materiais para baterias. “Não teve acesso a informações relacionadas com a missão central da Hydro-Quebec”, assegurou a empresa, que deu o alerta, para as alegadas actividades criminosas do seu funcionário, à Polícia Montada em Agosto. Já a Polícia Montada destacou que Wang publicou artigos académicos em revistas científicas sem a permissão da Hydro-Quebec, empresa para a qual trabalhava desde 2016. Órgãos de comunicação canadianos referiram que Wang tem mestrado em engenharia de materiais pelo Instituto de Física da Academia Chinesa de Ciências e que, antes de trabalhar para a Hydro-Quebec, o cientista passou pela Queen Mary University of London e pela Universidade do Arkansas (EUA). Este anúncio ocorre num momento em que o Canadá tem intensificado as suas denúncias sobre a “interferência” da China no país. Na semana passada, a ministra canadiana dos Negócios Estrangeiros, Mélanie Joly, acusou a China de ser uma “potência global cada vez mais disruptiva” com valores cada vez mais diferentes daqueles das democracias ocidentais e alertou as empresas canadianas para o risco de cooperar com o país asiático. Joly divulgou também que o Canadá lançará em Dezembro um plano de ação para a Ásia que inclui uma postura mais agressiva em relação à China.Em 7 de Novembro, o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, acusou a China de tentar interferir na democracia canadiana e realizar uma campanha de interferência durante as eleições de 2019. As declarações de Trudeau surgiram pouco depois de ter sido tornado público que os serviços secretos canadianos avisaram o Governo de que a China financiou vários candidatos a deputado no Parlamento federal nas eleições gerais.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau