Edição do dia

Sexta-feira, 19 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.8 ° C
27.9 °
26.5 °
89 %
8.8kmh
40 %
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
26 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioEconomiaAssociação optimista na recuperação da economia local no próximo trimestre

      Associação optimista na recuperação da economia local no próximo trimestre

      O reforço na capacidade e experiência de controlo da epidemia e o lançamento de várias políticas favoráveis ao turismo vão servir como factores para a RAEM deixar de estar na recessão económica nos próximos três meses, indicou a análise do Índice de Prosperidade, feita mensalmente pela Associação Económica de Macau, presidida pelo antigo deputado Joey Lao.

      Com a estabilização da situação epidémica no território eas políticas de retoma da emissão de vistos electrónicos e das excursões turísticas do interior da China, acredita-se que Macau pode manter o ritmo constante de recuperação da economia”, observou.

      O estudo prevê que o índice de prosperidade de Macau volte a aumentar nos próximos três meses, estando à vista a possibilidade de evitar a classificação de “fraco desempenho”.

      De acordo com o relatório, os principais indicadores económicos recuperaram gradualmente em Outubro e continuam a melhorar, dado que as medidas de passagem fronteiriça foram relaxadas, o que tem atraído mais visitantes. A quantidade de mercadorias importadas e as receitas brutas do jogo obtiveram ao mesmo tempo uma ligeira retoma, segundo Joey Lao.

      Apesar disso, o economista alertou que o desempenho económico “ainda está longe do nível anterior à epidemia”, e a situação actual reflecte “a falta de confiança dos investidores”. O índice de prosperidade de Setembro e Outubro mantém-seentre 2,1 e 2,2 pontos, no patamar de “deprimido”.

      Joey Lao alertou ainda para a eventual subida do rácio global de crédito malparado em Macau no próximo ano, “devido ao contexto da recessão económica global, e o acréscimo das taxas de juro não só leva a um aumento adicional do custo dos fundos para os bancos locais, como também agrava a pressão dos empréstimos empresariais e das hipotecas pessoais”.