Edição do dia

Quarta-feira, 7 de Dezembro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu limpo
17.9 ° C
21.6 °
17.9 °
72 %
7.2kmh
0 %
Qua
19 °
Qui
22 °
Sex
22 °
Sáb
22 °
Dom
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Lusofonia Timor Resources ameaça com processo de difamação contra presidente da Timor GAP

      Timor Resources ameaça com processo de difamação contra presidente da Timor GAP

      A Timor Resources, que está envolvida na exploração de vários poços no interior sul de Timor-Leste, ameaçou avançar com um processo por difamação contra o presidente da Timor GAP, por comentários sobre uma disputa que se arrasta desde 2019. Documentos obtidos pela Lusa indicam que o eventual processo se deve a comentários feitos pelo presidente da petrolífera timorense, António José Loiola de Sousa, que em entrevista a uma televisão timorense acusou a empresa de não ter “conhecimento, experiência ou até dinheiro”.

      Numa carta endereçada ao presidente da Timor GAP, a Timor Resources (TR) considera que os comentários de Loiola de Sousa podem “afectar a reputação corporativa, diminuindo o valor dos activos conjuntos”. Os documentos sugerem que os comentários podem igualmente constituir uma violação do código civil por injurias contra os interesses comerciais da empresa que, na prática, é sócia da Timor GAP na única exploração de petróleo em curso ‘onshore’ em Timor-Leste.

      Instada a comentar o caso, a responsável da TR, Suellen Osborne, considerou que o presidente da Timor GAP “cometeu um erro nos seus comentários”, manifestando esperançada que o responsável o tenha eventualmente reconhecido. “Sim, ele causou danos à nossa reputação corporativa e criou-nos uma onda de instabilidade como investidores estrangeiros. São muito poucos os investidores que colocam o seu dinheiro em Timor-Leste e estas declarações são muito invulgares, da parte de um parceiro de um consórcio e, ainda mais curioso, quando são completamente falsas”, afirmou à Lusa.

      O eventual processo de difamação é apenas um dos elementos recentes numa disputa que se arrasta há vários anos e em que, segundo documentos a que a Lusa teve acesso, a TR acusa o responsável da Timor GAP de não querer resolver o assunto ou sequer reconhecer que a disputa existe.

      Os documentos indicam que a disputa se arrasta desde 2019, tendo a TR apresentado uma Notificação de Disputa formal, no quadro do acordo do consórcio, em Agosto de 2021. Apesar da disputa, a TR tem continuado o projeto de exploração, o primeiro em terra nos últimos 50 anos, com um investimento de 60 milhões de dólares desde 2017.

      A empresa anunciou em junho passado que espera iniciar a produção em dois dos poços no final de 2023, após a confirmação de amplas reservas de petróleo e gás natural. Suellen Osborne explicou ter sido confirmada a existência de reservas de 24,2 milhões de barris de petróleo e de 1,3 mil milhões de pés cúbicos de gás natural.

      O Governo timorense concedeu em Abril de 2017 à Timor Resources as primeiras licenças de exploração e produção de petróleo no interior do país, abrangendo uma área de cerca de dois mil quilómetros quadrados em quatro municípios do sul do país.

       

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau