Edição do dia

Sábado, 20 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
trovoada com chuva
26.9 ° C
26.9 °
24.9 °
89 %
2.1kmh
40 %
Sáb
27 °
Dom
27 °
Seg
24 °
Ter
24 °
Qua
25 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioPolíticaPortuguês detido e acusado por insurreição em Hong Kong

      Português detido e acusado por insurreição em Hong Kong

      Um nacional português de nome Joseph John foi detido e acusado de sedição em Hong Kong por conspirar com outras pessoas para cometer actos de revolta através de publicações na Internet, avançou o jornal online Hong Kong Free Press.

      O homem de 40 anos viu negada fiança pelo Tribunal de Magistrados de West Kowloon. O juiz principal Peter Law acusou John de “publicar, disponibilizar e/ou continuar adisponibilizar declarações e fotos no Facebook, site(s), Twitter, Instagram e Telegram” com intenção de promover a insurreição.

      De acordo com o mesmo magistrado, o português alegadamente pretendia “ódio, desprezo ou descontentamento” contra as autoridades de Pequim e contra o Governo de Hong Kong, para “incitar pessoas à violência” e/ou “aconselhar a desobediência à lei ou a qualquer ordem legal”.

      O juiz, por isso, negou o pedido de fiança, defendendo que não havia motivos suficientes para acreditar que ele não continuaria a cometer actos que colocassem em risco a segurança nacional da República Popular da China.

      A procuradoria solicitou o adiamento do caso durante 12 semanas para permitir que a polícia conduzisse mais investigações sobre os três smartphones e a um laptop de John, bem como à sua conta bancária pessoal.

      O réu, que supostamente trabalhava no Royal College of Music no Reino Unido, foi detido pela polícia de segurança nacional na terça-feira. Joseph John manteve o seu direito de rever o seu pedido de fiança dentro de oito dias e comparecerá em tribunal novamente a 11 de Novembro.

      A polícia afirmou, na quarta-feira, que o nacional português estava vinculado a uma organização e supostamente publicou conteúdos sediciosos nas redes sociais em várias ocasiões, lançou campanhas de crowdfunding para arrecadar dinheiro para militares e iniciou petições nos sites de governos estrangeiros, pedindo que eles se mobilizassem para promover a independência de Hong Kong.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau