Edição do dia

Domingo, 14 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.5 ° C
28.9 °
25.9 °
89 %
3.1kmh
40 %
Dom
27 °
Seg
27 °
Ter
27 °
Qua
27 °
Qui
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioCulturaEm tempo de pandemia, Macau publicou mais livros em 2021 do que...

      Em tempo de pandemia, Macau publicou mais livros em 2021 do que em 2020

      O registo demonstra um aumento de 43 publicações de livros em comparação com o ano anterior. Em 2021, foram entregues 837 publicações à Biblioteca Central de Macau, nos termos do regime de Depósito Legal. Ao mesmo tempo, 71 editores apresentaram novos pedidos de adesão ao sistema de ISBN, o que também representou um aumento de 6,52% face a 2020. Os dados estão no relatório sobre o estado da publicação livreira.

      De acordo com relatório sobre o estado da publicação livreira em Macau, relativo ao ano de 2021, com base no registo de pedidos processados pela Agência do ISBN da RAEM, foi programada a publicação de 802 títulos em 2021. O registo demonstra um aumento de 43 publicações de livros em comparação com o ano anterior. Igualmente em 2021, foram entregues 837 publicações – 750 livros em papel e 87 livros electrónicos – à Biblioteca Central de Macau, destinadas a integrar o seu acervo, nos termos do regime de Depósito Legalà responsabilidade do Departamento de Gestão de Bibliotecas Públicas (DGBP), que é responsável pela recolha, preservação e organização das publicações locais bem como pelo fornecimento de materiais para estudos.

      O relatório, anunciado na passada sexta-feira pelo Instituto Cultural (IC), revela ainda que um total de 71 editores apresentaram novos pedidos de adesão ao sistema de ISBN – incluindo dois serviços públicos, duas escolas, nove entidades comerciais, 19 associações cívicas, 38 indivíduos e um grupo especial. Esse número representa um aumento de 6,52% em relação a 2020, contribuindo para um total cumulativo de 1.160 editores – incluindo 71 serviços públicos, 40 escolas, 236 entidades comerciais, 448 associações cívicas, 345 indivíduos e 20 grupos especiais.

      Neste momento, a existência de 1.160 editores em Macau representa um número 18,7 vezes superior ao número de editores registados em 2000, o primeiro ano da RAEM e aquando da criação da Agência do ISBN de Macau, onde só existiam registados 62 editores. “Os dados demonstram um desenvolvimento estável do sector da edição livreira da RAEM, à medida que a consciência da exigência de pedido de ISBN dos editores tem aumentado. A uniformização internacional da edição livreira tem potenciado, em grande medida, a capacidade de introduzir livros de Macau no mercado internacional”, conclui o documento.

      O processo de pedido de ISBN é simples. Antes da publicação ser revista e estar pronta para impressão, pode ser obtido na página electrónica das Bibliotecas Públicas de Macau (www.library.gov.mo) e preenchido o formulário de pedido. Depois, este formulário deve ser apresentado, sem custos, juntamente com uma cópia da capa já finalizada, da página derosto e da ficha técnica, à Agência do ISBN. Depois de obtido o ISBN temporário, este deve ser acrescentado à página de direitos de autor e à contracapa, depois deve ser impresso e, por último, devem ser devolvidos dois exemplares à Agência do ISBN para a confirmação do número, e assim o ISBN entra oficialmente em vigor.

      O DGBP do IC tem procedido à recolha sistemática de documentos relacionados com aspectos políticos, económicos, sociais, históricos e científicos de Macau. São objecto de depósito legal as obras publicadas na Região Administrativa Especial de Macau, seja qual for a forma, o tipo de publicação ou o sistema de reprodução, destinadas à comercialização ou à distribuição gratuita.