Edição do dia

Quarta-feira, 19 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
29.1 ° C
29.9 °
28.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °
Dom
31 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioPolíticaJovens de Macau são o futuro das relações sino-lusófonas, defendeu Liu Xianfa

      Jovens de Macau são o futuro das relações sino-lusófonas, defendeu Liu Xianfa

      O Comissário do Ministério dos Negócios Estrangeiros sublinhou que para desempenhar bem esse papel, os mais novos devem estar cientes da visão correcta da história. O responsável do Governo Central falou durante a cerimónia de encerramento do programa de intercâmbio juvenil entre a China e os Países de Língua Portuguesa, que contou com a participação de 50 alunos.

      O Comissariado do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, juntamente com o Governo da RAEM, promoveu o programa de intercâmbio juvenil entre a China e os Países de Língua Portuguesa, que teve lugar de 26 a 28 de Outubro.

      Esta sexta-feira, durante a cerimónia de encerramento do programa e entrega dos prémios do concurso de vídeos curtos, o Comissário do Ministério dos Negócios Estrangeiros sublinhou a importância dos jovens no futuro e, em particular, no futuro das relações sino-lusófonas. “Ponto de encontro das culturas chinesa e ocidental, e também ponte de ligação entre a China e os países de língua portuguesa, Macau desempenha um papel insubstituível na promoção do intercâmbio cultural entre a China e o Ocidente, bem como no intercâmbio e cooperação entre a China e os países de língua portuguesa. Espera-se que os jovens de ambos os lados possam aprender com os pontos fortes de cada um e aprender uns com os outros, de modo a contribuir para o desenvolvimento comum e a prosperidade da China e dos países de língua portuguesa”, notou Liu Xianfa, acrescentando que o evento serve como “uma oportunidade para fortalecer os intercâmbios, reforçar a amizade e formar bons jovens embaixadores da amizade sino-portuguesa”.

      No que à entrega dos prémios do concurso de vídeos curtos diz respeito, o primeiro lugar foi atribuído, em exaequo, ao grupo May – composto por duas estudantes angolanas e uma estudante chinesa radicada no Brasil -, da Universidade de Macau, e à aluna da Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau (MUST) Cheang Son In, num concurso em que participaram 33 equipas, umas formadas em grupo, outras individuais.

      Zhang Congyi, uma chinesa oriunda do norte da China, mas radicada no Brasil desde criança, foi uma das vencedoras do grupo May. A jovem admitiu aos jornalistas que “afinalização do vídeo demorou bastante, mas valeu muito a pena. Reflectimos muito sobre o intercâmbio cultural entre a China e os países de língua portuguesa. A cultura e o pensamento é bastante diferente, mas mesmo sendo diferentes podem cooperar muito bem”, referiu.

      Já a sua colega de grupo, a angolana Augusta Mateus Mendes, nascida em Luanda, admitiu que o que se ouve antes de se vir, pela primeira vez, para a China é muito diferente daquilo que realmente se vê quando se chega cá. “Aquilo que maioritariamente nós ouvimos no nosso país, que não vamos gostar, que são etnias diferentes e culturas diferentes. Eu pude ver que não. Vale pena ter de viver realmente a vida daquele país, daquele povo. Com esta actividade pude ganhar muito conhecimento. Pude ter uma percepção diferente daquilo que é a economia dentro da China e fora da China, dentro do meu país. É uma satisfação levantar o prémio e dizer que valeu a pena Angola estar em colaboração com a China”, notou.

      De acordo com a organização, os vídeos curtos foram uma forma de os jovens expressarem as suas emoções, e os jovens chineses e portugueses não são excepção. Um dos júris da competição, o sinólogo brasileiro Giorgio Sinedino, afirmou que“os vídeos participantes apresentam histórias reais com a voz do povo, e os seus pontos de vista são objectivos, precisos e sinceros. Espalham em voz alta a amizade entre os países de língua portuguesa e a China sem fronteiras, e também desempenhou um papel no papel de Macau como país. O papel especial da ponte sino-portuguesa”.

      O evento serviu ainda para levar os jovens numa visita à Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau para ver o projecto no local, sentir a vitalidade da construção da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau e o sucesso prática de Um País, Dois Sistemas’”. Tempo ainda houve para uma visita à plataforma de serviços de cooperação empresarial entre a China e os países de língua portuguesa, para a prática desportiva, para uma visita à Universidade Politécnica de Macau, outra ao Museu de Macau, diversas palestras sobre a cultura oriental e ocidental de Macau, política externa chinesa e actividades de vivência cultural como fazer culinária portuguesa ou escrever caligrafiachinesa.