Edição do dia

Quarta-feira, 19 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
29 ° C
29.9 °
28.9 °
94 %
3.6kmh
20 %
Ter
29 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaChina diz estar “mais perto” do centro na governação dos assuntos internacionais

      China diz estar “mais perto” do centro na governação dos assuntos internacionais

      A China assegurou ontem que está “cada vez mais perto” do centro na governação dos assuntos internacionais, afirmando que a “grande ameaça à ordem mundial” é quem “insiste no confronto e intimidação”, numa referência aos Estados Unidos.

       

      “O mundo atravessa mudanças sem precedentes e a tendência histórica actual é de paz, desenvolvimento e cooperação, mas existem forças que insistem em manter uma mentalidade da Guerra Fria”, disse Ma Zhaoxu, vice-ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, numa conferência de imprensa realizada à margem do 20º Congresso do Partido Comunista da China (PCC), que decorre, esta semana, em Pequim.

      Numa alusão implícita aos Estados Unidos e aos seus aliados, Ma disse que há forças que “criam panelinhas, traçam linhas ideológicas, incitam o confronto e baseiam a sua política externa no poder hegemónico”. “Essas são a grande ameaça à ordem mundial”, acusou. “Um mundo dividido não beneficia ninguém e o confronto só leva a becos sem saída”, acrescentou.

      Na mesma conferência de imprensa, Shen Beili, vice-ministro do Departamento Internacional do Comité Central do PCC, disse que a China “luta pelo progresso de toda a humanidade” e “está a aproximar-se cada vez mais do centro da governação dos assuntos internacionais”. Esta é uma ambição assumida pelo actual secretário-geral do PCC, Xi Jinping, que abdicou do “perfil discreto” na política externa chinesa, que vigorou durante décadas.

      Xi Jinping deve reforçar o seu estatuto durante o congresso, ao obter um terceiro mandato e elevar aliados seus na estrutura do poder na China. Sob a governação de Xi, o PCC, que afirmou sempre que a China nunca copiaria sistemas políticos de outros países, em particular a democracia de estilo Ocidental, passou a defender que o seu sistema de partido único é uma solução viável para as nações em desenvolvimento.

      Nos últimos anos, Pequim avançou também com fóruns e organizações multilaterais próprias, no âmbito da Iniciativa ‘Faixa e Rota’. O projecto internacional de infraestruturas prevê a construção de portos, linhas ferroviárias ou autoestradas, ligando o leste da Ásia à Europa, Médio Oriente e África. O maior entrosamento entre Pequim e os países envolvidos abarca ainda o ciberespaço, meios académicos, imprensa, regras de comércio ou acordos financeiros, visando elevar o papel da moeda chinesa, o RMB, nas trocas comerciais. Observadores consideram que o objetivo da China é redesenhar o mapa da economia mundial e moldar uma nova ordem internacional.

      Durante a conferência de imprensa, realizada via ‘online’, devido às medidas de prevenção epidémica vigentes na China, e com questões previamente acertadas com as autoridades, o vice-ministro Ma Zhaoxu ressaltou que o país asiático está comprometido com o “verdadeiro multilateralismo” e que, durante a próxima cimeira do G20, a China “vai desempenhar um papel positivo na promoção da recuperação económica global”.

      O responsável também citou outros campos de cooperação, como a “energia, cadeias alimentares e segurança”, mas não confirmou se Xi Jinping vai participar na cimeira, que se realiza, no próximo mês, em Bali, na Indonésia. “Estamos num período de grande instabilidade e transformação. Xi tem uma visão global profunda, com novas iniciativas que refletem claramente o mundo que a China quer promover, o que inclui permanecer firme para defender a justiça e defender-nos contra quem nos ataca”, disse.

      Ma acrescentou que o PCC “defende a sua liderança e o seu sistema” e “rebateu vigorosamente” a recente visita da presidente da Câmara dos Representantes norte-americana, Nancy Pelosi, a Taiwan, e outras “ações malignas”. “Nós opomo-nos firmemente contra quem defende a ‘independência de Taiwan’ e impedimos qualquer interferência de forças estrangeiras nesta questão”, disse.

      O vice-ministro evitou comentar a guerra na Ucrânia, mas salientou que dada a “crise” e a “situação de segurança actual”, a embaixada chinesa no país está a “organizar a retirada dos cidadãos chineses” e espera que esta seja concluída o “mais rápido possível”. Lusa

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau