Edição do dia

Domingo, 14 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.9 ° C
27.9 °
26.9 °
89 %
4.6kmh
40 %
Dom
27 °
Seg
27 °
Ter
27 °
Qua
28 °
Qui
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaDiscurso de líder de Taiwan sobre ameaça da China é “enganador”

      Discurso de líder de Taiwan sobre ameaça da China é “enganador”

      A China qualificou ontem de “erróneo e enganador” o discurso da líder de Taiwan, Tsai Ing-wen, que afirmou que a ilha “nunca desistirá” do seu sistema democrático e acusou Pequim de tentar “apagar” a sua soberania.

      Citado pela agência noticiosa oficial Xinhua, o porta-voz do Gabinete para os Assuntos de Taiwan do Conselho de Estado chinês, Ma Xiaoguang, assegurou que os comentários de Tsai exageraram a “ameaça” da China e reafirmaram a ideia de que a ilha é um Estado independente. Tsai fez aquelas declarações na segunda-feira, durante a celebração do Dia Nacional da República da China, o nome oficial de Taiwan.

      Ma acusou a líder do território de boicotar a paz e a estabilidade na região ao colaborar com forças estrangeiras, numa referência aos Estados Unidos, e ao reforçar a sua estratégia de alcançar a “independência pela força”.

      O porta-voz chinês disse que o Partido Democrático Progressista, o partido político no poder na ilha “conspirou com forças externas” para dividir a China e “enganar a opinião pública e o mundo”. “A questão de Taiwan é essencialmente um assunto interno da China, e a essência das relações [entre Pequim e Taipé] é que tanto o continente [chinês] como Taiwan concordam que pertencem a uma só China”, acrescentou Ma.

      Nos últimos anos, Pequim propôs que a ilha seja “reunificada” com a República Popular sob o sistema de autonomia política limitada conhecido como ‘um país, dois sistemas’. As autoridades de Taipé, porém, rejeitaram aquela proposta. Ma reiterou que, no caso de “reunificação” pacífica da ilha com o resto da China, a propriedade privada, as crenças religiosas e os direitos legítimos dos taiwaneses seriam “respeitados” e os seus interesses “protegidos”. “Respeitamos o sistema social e o modo de vida dos compatriotas de Taiwan”, acrescentou Ma.

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau