Edição do dia

Sábado, 22 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
30.9 ° C
31.9 °
30.9 °
79 %
4.1kmh
40 %
Sáb
31 °
Dom
30 °
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioCulturaPaisagens antigas de Macau são tema para exposição na Fundação Rui Cunha

      Paisagens antigas de Macau são tema para exposição na Fundação Rui Cunha

      A Fundação Rui Cunha apresenta amanhã, pelas 18h30, a exposição de pintura “Inspiração – Paisagens Antigas de Macau”, do falecido artista nascido no México e radicado em Macau, Emílio Cervantes Júnior, com curadoria da filha, Joana Bañares Cervantes Nogueira, que exibe imagens de todo o território de Macau, com ruas, edifícios, barcos e pessoas, pintadas ao longo dos seus últimos 17 anos de vida.

      Esta mostra reúne um conjunto de 33 pinturas a óleo, aguarela, guache e tinta-da-china, que reflectem a cidade antiga, a paisagem verde, a população, a arquitectura de característica ocidental e oriental, maioritariamente de Macau, mas também da China continental. Segundo a filha, “Emílio Cervantes Júnior nasceu a 9 de Julho de 1931, natural do México. Aos cinco anos de idade veio para Macau com os pais e nunca regressou à sua terra natal. Começou a pintar na adolescência, em Macau, e nunca mais deixou o pincel até aos seus últimos meses de vida, em 2017”. “Para melhorar as habilidades na pintura, lia muitos livros, passeava pelas ruas e becos de Macau, Taipa e Coloane, e tirava fotografias de paisagens, casas antigas, juncos, etc. Era a partir das fotografias que pintava os seus quadros a óleo e, na década dos anos 90, começou a pintar também a aguarela”, explica.

      Além da pintura, que chegou a apresentar em exposições locais, individuais e colectivas, Emílio Cervantes Júnior foi também autor de cartazes para campanhas institucionais da Direcção dos Serviços de Saúde e do Grande Prémio de Macau, e desenhou selos para os Correios de Macau.

      O artista fez carreira militar no Quartel General em Macau até à sua reforma. Mas era um homem de interesses variados, dedicando-se igualmente ao desporto local e à música. Pertenceu à orquestra da Tuna Negro-Rubro, de Pedro José Lobo, onde tocava clarinete, saxofone, banjo, viola, entre outros instrumentos.

      As obras vão estar patentes até ao dia 29 de Outubro.

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau