Edição do dia

Terça-feira, 18 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
30.6 ° C
33.2 °
29.9 °
89 %
4.6kmh
40 %
Ter
31 °
Qua
31 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioLusofoniaGoverno timorense investe 17,7 milhões de dólares em recursos humanos em 2023

      Governo timorense investe 17,7 milhões de dólares em recursos humanos em 2023

      O Governo timorense vai destinar, em 2023, cerca de 17,7 milhões de dólares para programas do Fundo de Desenvolvimento de Capital Humano (FDCH), o maior valor desde 2019, indica a proposta orçamental.

      Os dados mostram que esse valor se destina a financiar quatro tipos de programas de formação de 15 instituições governamentais, sendo o quinto valor anual mais elevado desde 2015, de acordo com a proposta do Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2023.

      Em concreto, explicam os documentos em tramitação parlamentar, estão previstas um total de 25 actividades, com 19 actividades de bolsas de estudo, 14 de formação técnica e duas cada de formação profissional e boa governação e gestão institucional. “Estes programas estão direcionados para a formação profissional da mão de obra para serviço no estrangeiro e para o apoio dos centros de formação, principalmente para os jovens, para a capacitação dos professores no programa PRO-Português do INFORDEPE e formação jurídica e judiciária para o setor da justiça”, explica o livro orçamental.

      Abrangem ainda a “continuação do pagamento das bolsas de estudo existentes no estrangeiro e no país incluindo os filhos dos veteranos e combatentes de libertação nacional, profissionais da saúde, docentes, atribuição de novas bolsas no país para as pessoas carentes e para os docentes das universidades privadas, para a defesa, para os funcionários públicos entre outros”.

      Cerca de 70% do orçamento total do FDCH destina-se a bolsas de estudo, seguindo formação técnica (20%), e formação profissional boa governação e gestão institucional (5% cada).

      O FDCH tem vindo a operar, de forma faseada, desde 2011, com os primeiros oito anos a registarem um aumento progressivo de instituições do Estado envolvidas, chegando às 52 (número máximo de sempre) em 2019. Desde 2020, tem-se vindo a registar uma queda progressiva no número de instituições acreditadas para participar no programada, sendo que para 2023 só estão registadas 15 instituições.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau